Geral

Secretário diz que Brasil deve fazer nova emissão de títulos do Tesouro ainda este ano

O secretário do Tesouro, Arno Augustin, disse nesta quarta-feira (19) que o governo brasileiro estuda uma nova emissão de títulos no exterior ainda este ano, provavelmente em dólares, mesmo com o cenário internacional incerto. “Estamos em um momento de turbulência internacional forte. Mas, mesmo assim, dados os fundamentos do Brasil, nós podemos sim, e é muito provável […]

Arquivo Publicado em 19/10/2011, às 14h25

None

O secretário do Tesouro, Arno Augustin, disse nesta quarta-feira (19) que o governo brasileiro estuda uma nova emissão de títulos no exterior ainda este ano, provavelmente em dólares, mesmo com o cenário internacional incerto. “Estamos em um momento de turbulência internacional forte. Mas, mesmo assim, dados os fundamentos do Brasil, nós podemos sim, e é muito provável que a gente faça ainda este ano emissão do Tesouro”, disse.


Arno disse ainda que não há data prevista ou moeda definida para mais um lançamento de papéis no exterior em 2011. O secretário lembrou que as emissões do Tesouro são qualitativas e têm como objetivo estabelecer, neste momento, parâmetros de taxas para títulos do governo e de empresas no mercado internacional.


Arno Augustin participou de uma reunião fechada com deputados da Comissão de Finanças e Tributação da Câmara para apresentar os números do Governo Central.


O secretário voltou a mostrar grande preocupação com a crise. Segundo ele, o governo brasileiro vem alertando há bastante tempo sobre as dificuldades internacionais. “Temos tido uma avaliação de grande preocupação. Infelizmente, o cenário internacional não é bom. Eu penso que os fatos vêm corroborando essa visão de preocupação com a economia internacional no próximo período”, avaliou.


A preocupação do governo brasileiro é com a demora na solução da crise na zona do euro e com os efeitos da crise no mercado chinês. Arno destacou que em uma economia integrada com o mundo, como a do Brasil, qualquer redução no crescimento tem reflexos internamente. “A nossa condição de uma economia integrada ao mundo faz com que, quando o mundo cresce menos, isso traga dificuldades para os nosso crescimento.”


Para ele, é preciso estar atento e tomar medidas para enfrentar a situação e melhorar o cenário doméstico. “Os fundamentos do Brasil felizmente estão muito bons e estamos em condições de enfrentar essas crises. Vamos procurar [fazer] com que isso seja menos danoso para a economia.”

Jornal Midiamax