Geral

Pontes rompem e Agesul reforça interdição da Estrada Parque

Após ter interditado trecho de 33 quilômetros da Estrada Parque Pantanal Sul para tráfego de veículos nesta quarta-feira, 16 de março, entre o rio Miranda até a Curva do Leque (MS-184), a Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul) confirmou, no final da tarde, o rompimento de pontes. “As cabeceiras de três pontes, nas proximidades […]

Arquivo Publicado em 17/03/2011, às 00h43

None

Após ter interditado trecho de 33 quilômetros da Estrada Parque Pantanal Sul para tráfego de veículos nesta quarta-feira, 16 de março, entre o rio Miranda até a Curva do Leque (MS-184), a Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul) confirmou, no final da tarde, o rompimento de pontes. “As cabeceiras de três pontes, nas proximidades da Fazenda Boa Sorte, na MS-184 romperam. Então, está interditado mesmo, não passa nada”, informou o diretor-executivo da Agesul, de Corumbá, Luiz Mário Anache.


Pela manhã, a Agesul havia anunciado que devido ao grande volume de água – proveniente da cheia nos rios pantaneiros – que cobria a via, mais de 30 quilômetros da MS-184 haviam sido interditados. Como a água tomou a pista, as condições de tráfego de veículos ficaram difíceis no local. “Não se vê nada”, disse Anache.


Em 28 de fevereiro, a Agesul também teve de interditar parte da rodovia. A decisão foi tomada por conta da forte chuva que havia caído em Corumbá. A interdição, daquela vez, foi no quilômetro 4,5 da MS-228, nas proximidades da Band’Alta. A grande quantidade de água pluvial que descia do Morro Grande tomou conta da pista e chegou a formar correntezas naquele trecho.


Com 120 quilômetros totais de extensão, a rodovia, que compreende a MS-184 e a MS-228, é a principal via de ligação entre a região do Pantanal da Nhecolândia e Corumbá. Além de ser a principal rota para o setor pecuário, o turismo contemplativo é atrativo para quem transita pela Estrada Parque.

Jornal Midiamax