Geral

Operação da PF já prendeu 5 por tráfico de drogas em tribos indígenas de MS

Policiais montaram uma espécie de delegacia dentro das aldeias Bororó e Jaguapiru, em Dourados, onde vivem a maior parte da população indígena de MS; lá, o índice de violência é assustador

Arquivo Publicado em 24/06/2011, às 11h48

None

Policiais montaram uma espécie de delegacia dentro das aldeias Bororó e Jaguapiru, em Dourados, onde vivem a maior parte da população indígena de MS; lá, o índice de violência é assustador

Um indígena identificado apenas como R.O.M., 18 anos, foi preso pelas equipes da PF (Polícia Federal) e do 3º BPM (Batalhão da Polícia Militar) durante a Operação Tekoha, em Dourados – a 225 km ao sul de Campo Grande, nesta semana.


Pelo menos cinco indígenas já foram detidos desde o dia 10 de junho, quando o caminhão da Superintendência Regional da PF se instalou na aldeia Bororó a fim de coibir a violência na região.


De acordo com os federais de Dourados, o indígena foi flagrado com vários papelotes de maconha. O entorpecente foi apreendido e pesado, somando 68,2 gramas. O rapaz foi encaminhado para o PHAC (Presídio Harry Amorim Costa), onde está à disposição do Juiz Criminal, da Comarca de Dourados.


A polícia ressalta que a quantidade de entorpecente encontrado com os jovens e rapazes da aldeia Bororó é pequena em relação às apreensões nas estradas, porém é significativa, uma vez que isso é constante. Além disso, os jovens da região têm acesso livre a bebidas alcoólicas, outro fator que faz com que cresça a marginalidade, tráfico de drogas e os casos de homicídios.


A ação deve se estender por quatro meses e foi organizada para manter rondas constantes na localidade, em conjunto com a PM e a Polícia Civil, dando mais agilidade as prisões e investigações. No caminhão, foi montada uma espécie de delegacia para poder suprir a necessidade urgente de uma intervenção no local, na luta contra o crime.


Equipes do caminhão supervisiona o posto avançado, que está instalado na frente da Escola Municipal Tengatui Marangatu, na Aldeia Jaguapiru e funciona durante o dia, das 7h30 às 17h30. Os federais ressaltaram que a instalação e funcionamento deste posto foi tomado junto a coordenação regional da Funai (Fundação Nacional do Índio).


A reserva de Dourados tem duas aldeias, a Bororó e a Jaguapiru, e registra índices de violência e criminalidade estimados em 800% acima da média nacional, o que é considerado preocupante pela autoridades.


A reserva indígena de Dourados é a maior em área urbana do país. Ela tem aproximadamente 3,6 mil hectares e acomoda mais de 13 mil pessoas de três etnias, sendo, guarani, kaiowa e terena.


Jornal Midiamax