Geral

Nelsinho promete R$ 1,5 mi no fomento da Cultura em Campo Grande

Com o clima amistoso e a casa lotada, artistas, entusiastas e autoridades de Campo Grande se reuniram na tarde desta quinta-feira (10), em audiência pública na Câmara Municipal, para discutirem os rumos sonhados para o investimento do 1% destinado à Cultura local. Após receber a classe artística na semana passada, o prefeito de Campo Grande, […]

Arquivo Publicado em 10/11/2011, às 21h15

None
19392682.jpg

Com o clima amistoso e a casa lotada, artistas, entusiastas e autoridades de Campo Grande se reuniram na tarde desta quinta-feira (10), em audiência pública na Câmara Municipal, para discutirem os rumos sonhados para o investimento do 1% destinado à Cultura local.


Após receber a classe artística na semana passada, o prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB), compareceu nesta tarde na audiência e propôs reverter R$ 1,5 milhão ao fomento da Cultura no orçamento de 2012, e a ideia é de que este número dobre em 2013. Em 2011 o valor investido era de R$ 450 mil. Além disso, ele ressaltou que a Fundac está aberta para outros tipos de negociação, o que pode contribuir com produções culturais.


Mesmo não atingindo o recurso sonhado pela categoria, os discursos ouvidos de políticos alimentam a esperança de que a luta ainda não chegou ao fim.


De acordo com a produtora e uma das representantes da Comissão de Cultura de Campo Grande, Andrea Freire, a proposta é que o 1% do investimento da cultura seja totalmente destinado ao Fimic, Fomteatro e Fundac (Fundação de Cultura de Campo Grande), e haja uma porcentagem diferenciada que cubra os gastos das obras, mesmo que elas estejam relacionadas ao movimento cultural.


Para o presidente da ACV (Associação de Cinema e Vídeo), Cândido da Fonseca, estabelecer um diálogo é um começo. “Ainda não foi o que a gente queria, mas a luta continua”, diz, ressaltando também o papel que será desempenhado a partir de agora. “Os artistas não querem esmola, querem políticas públicas, queremos também projetos sociais”, conclui.


A verba será dividida entre a classe através de editais. “Torço para que o dinheiro seja bem aplicado e beneficie a todos que desenvolvam um trabalho sério”, almeja Gustavo Figueiró, entusiasta da cultura regional.

Jornal Midiamax