Cerca de 100 líbios cercaram um avião de passageiros da Tunísia em um dos aeroportos da capital, neste sábado, retardando a sua decolagem em um protesto contra o governo. Testemunhas disseram à Reuters que cerca de uma dúzia de carros invandiu a pista do aeroporto de Mitiga, em Tripoli, na Líbia. Eles bloquearam uma um jato airbus 300-20, com passageiros a bordo.

A autoridade interina no poder desde que Muammar Kadhafi foi derrubado, o Conselho Nacional de Transição (CNT), está lutando para controlar diferentes interesses locais, muitos deles apoiados por milícias armadas.

Os manifestantes eram de Souq al-Juma, distrito de Tripoli, um reduto anti-Kadhafi sentimento durante a revolta contra seu governo. Eles disseram que queriam que o governo líbio para abrir uma investigação sobre um confronto na semana passada em que vários membros da milícia Souq al-Juma foram mortos. O confronto aconteceu em Bani Walid, a sudeste de Trípoli, que foi reduto pró-Kadhafi e um dos últimos lugares a se submeter à nova liderança da Líbia.

“As pessoas estão protestando sobre a ação lenta que a NTC está assumindo isso. Eles estão colocando pressão sobre o NTC a tomar medidas, e fazer a sua mensagem se tornar conhecida”, disse El-Abdulrazzaq Aradi, da Souq al-Juma. Uma porta-voz da Tunisair disse que os passageiros não foram prejudicados.

Ela afirmou que alguns dos manifestantes tentaram invadir a aeronave, mas o piloto havia fechado a porta. Segundo ela, homens armados confirmaram o desejo de verificar a identidade de alguns líbios feridos a bordo do avião. A decolagem aconteceu mais tarde, com 54 passageiros a bordo. Alguns passageiros líbios preferiram sair do avião, sem dar detalhes.

Um repórter da Reuters no aeroporto de Mitiga disse que não havia sinal de violência. Os manifestantes tinham armas e usavam uniforme de combate, mas a maioria era de civis.

“Este é um protesto pacífico. O avião está intacto. Os passageiros estão bem. Não queríamos prejudicar ninguém”, declarou Hosni Berbesh, um dos manifestantes. Ele disse que o objetivo do protesto foi “explicar que temos um pedido, que o governo deve responder a nós.”