Geral

Força Nacional fica mais 60 dias em MS para monitorar índios

Os policiais da Força Nacional de Segurança Pública vão permanecer por mais 60 dias em Mato Grosso do Sul a fim de auxiliar a Polícia Federal no monitoramento da segurança em terras indígenas. A determinação foi publicada na edição desta sexta-feira do Diário Oficial da União por meio de portaria assinada pelo ministro de Justiça […]

Arquivo Publicado em 24/12/2011, às 11h49

None

Os policiais da Força Nacional de Segurança Pública vão permanecer por mais 60 dias em Mato Grosso do Sul a fim de auxiliar a Polícia Federal no monitoramento da segurança em terras indígenas.


A determinação foi publicada na edição desta sexta-feira do Diário Oficial da União por meio de portaria assinada pelo ministro de Justiça José Eduardo Cardozo.


Conforme a publicação, a prorrogação da tropa no Estado foi solicitação do Departamento de Polícia Federal “para garantir a manutenção da ordem pública em terras indígenas no Estado do Mato Grosso do Sul, em especial nos arredores do município de Dourados”.


A portaria informa que o número de policiais da Força Nacional “obedecerá ao planejamento definido pelos entes envolvidos na operação”.


A solicitação de reforço pela Federal foi motivada pelo atentado contra o acampamento indígena Guayviri, em Aral Moreira, no dia 18 de novembro.


Índios afirmaram que o cacique Nisio Gomes, 59 anos, foi executado a tiros e teve o corpo levado por fazendeiros da região.


A Polícia Federal diz, porém, que não há indícios da execução de Nisio e afirma, ainda, que os índios mentiram sobre o que aconteceu. Tanto que o filho de Nisio, principal testemunhal foi indiciado por denunciação caluniosa. Ele foi colocado sob proteção policial desde o dia que começaram as investigações.


Quatro fazendeiros, um advogado, dois administradores de empresa de segurança e mais três seguranças, totalizando dez pessoas, foram indiciados por envolvimento no ataque. Nenhum nome foi divulgado.

Jornal Midiamax