Geral

Festeiros mantêm viva tradição do banho de São João em Corumbá

Maior festa popular de Corumbá, depois do carnaval, evento teve a descida de 90 andores para banhar a imagem do santo nas águas do rio Paraguai

Arquivo Publicado em 24/06/2011, às 13h40

None
1487616184.jpg

Maior festa popular de Corumbá, depois do carnaval, evento teve a descida de 90 andores para banhar a imagem do santo nas águas do rio Paraguai

Maior festa popular de Corumbá, depois do carnaval, o Arraial do Banho de São João, teve o ponto alto e momento mais esperado da festa na noite desta quinta-feira, 23 de junho, com a descida de 90 andores para banhar a imagem do santo nas águas do rio Paraguai, na “prainha” do Porto Geral. A forte cheia deste ano trouxe o rio para às margens da rua Manoel Cavassa, a famosa “prainha” era quase inexistente.

Todos os componentes da tradição festiva foram mantidos. Os cortejos de famílias de festeiros, até o rio, eram acompanhados por cânticos em louvor a São João, que tinha o ritmo marcado por uma pequena orquestra, formada, na maior parte, por instrumentos como violões; sanfonas e bumbos.

As procissões cruzavam o Porto ao som da ladainha: “Deus te salve João Batista sagrado, o seu nascimento, nós temos que alegrar”, que na sequência ganha ritmo mais animado, quase carnavalesco: “Se São João soubesse, que hoje era o seu dia, descia do céu a Terra, com prazer e alegria”.

A passagem por baixo dos andores também foi outro costume preservado pelos participantes da festa, desta vez muito concorrido. Era só a locução oficial da festa anunciar a chegada dos andores à Cunha e Cruz que enormes filas se formavam na ladeira. Mulheres; homens; adolescentes; idosos e até crianças passavam por baixo dos andores inúmeras vezes e sem qualquer cerimônia.

Conta a tradição, que após passar embaixo de sete andores, na ida e na volta, os fiéis garantem a proximidade do casamento. E o santo tem fama de poderoso e casamenteiro. “Uma amiga minha muito tímida passou por baixo do andor. Ela conta que logo depois conheceu o namorado, que agora é o marido dela. Eu estou passando por brincadeira, mas de repente”, contou rindo Sônia Mara Rodrigues.

“Esse é um momento bastante nosso, corumbaense. Acho que Corumbá sabe muito bem fazer essa festa. Ela é única. Para mim, ela destaca bastante a cidade. É muito simples, mas muito bonita”, contou Paulo Sérgio Paiva, disse ao Diário enquanto assistia à descida dos andores na ladeira.

Embora o cortejo até o banho do santo seja o momento mais aguardado da festa, o encontro dos andores que subiam e desciam a ladeira Cunha e Cruz, emociona pelo simbolismo de fé e devoção que carrega. Em sinal de respeito, os devotos se ajoelhavam e se cumprimentavam, gestos repetidos por três vezes, a cada encontro.

Na “prainha”, a purificação a partir das águas do rio recorre ao batismo de Jesus Cristo por João Batista, se tornou para os festeiros um gesto de emoção. Ao banharem os andores muitos fiéis se emocionaram e choravam durante as orações.

Um show pirotécnico de cerca de 10 minutos, a meia-noite, saudou a chegada do dia 24, data dedicada a São João. A organização do Arraial do Banho de São João estima que a festa tenha movimentado público de 40 mil pessoas, tanto no Porto Geral, como nas mais de 100 celebrações que aconteceram nas casas dos festeiros.

Jornal Midiamax