Geral

Falta de câmeras em Agenfa de Nova Andradina dificulta investigação sobre roubo

O delegado titular da Depol de Nova Andradina, Rinaldo Gomes Moreira divulgou na tarde desta sexta-feira (11) uma nota informando que dois funcionários da Agenfa local foram até a delegacia para tentar reconhecer por certeza ou aproximação, fotografias existentes no SIG, e para prestar maiores informações sobre os dois assaltantes que levaram mais de 24 […]

Arquivo Publicado em 12/02/2011, às 10h34

None
27419765.jpg

O delegado titular da Depol de Nova Andradina, Rinaldo Gomes Moreira divulgou na tarde desta sexta-feira (11) uma nota informando que dois funcionários da Agenfa local foram até a delegacia para tentar reconhecer por certeza ou aproximação, fotografias existentes no SIG, e para prestar maiores informações sobre os dois assaltantes que levaram mais de 24 mil reais.

Segundo o delegado, o que dificulta as investigações é que, embora o local seja um órgão arrecadador, não é munido de câmeras de filmagens e gravação e não possui sequer um segurança, apesar de junto á agência existir um caixa eletrônico do Banco do Brasil.

Todas as informações que estão chegando ao SIG estão sendo checadas. O delegado informa ainda que todas as informações também estão sendo trocadas entre a Polícia Civil local e o GARRAS de Campo Grande, especializada que atender a todo o estado, além de outras DPs do estado, trocando-se informações sobre possíveis quadrilhas que agem no estado em relação a roubos em Agências Fazendárias.

Conforme o policial já está praticamente descartada a hipótese de serem os mesmos assaltantes que agiram na casa lotérica e pague fácil, no mês de janeiro deste ano, pois segundo as vítimas ao verem a gravação da ação nos dois locais, não são os mesmos, apesar de estarem usando capacetes e óculos.

Investigadores e delegados estiveram em toda a área vizinha da AGENFA tentando colher informações para ajudar no caso. Também é descartada a hipótese de serem os mesmos assaltantes dos roubos anteriores, pois um deles foi reconhecido e foi preso pela Polícia Civil na sexta-feira passada. Possivelmente no assalto foram usados um revólver calibre 38 e uma submetralhadora, diz a nota.

Informações sobre possíveis veículos que teriam sido usados no roubo também estão sendo checadas. Algumas pessoas ligadas a roubos e que podem ter ligação com facção criminosa também estão sendo investigadas.

Jornal Midiamax