Foguete se desviou da rota, mas cientistas tentam assegurar que sonda com destino ao planeta vermelho não repetirá fracassos anteriores

Cientistas responsáveis pelo programa espacial russo estão particularmente ansiosos em relação à mais recente missão não-tripulada do país com destino a Marte.

A missão, que visa chegar à lua marciana de Phobos, partiu nesta quarta-feira (9) da estação de lançamento de Baikonur, no Cazaquistão.

Mas o ambicioso empreendimento corre o risco de terminar antes mesmo de ter começado.
A sonda espacial desviou de seu trajeto original e chegou a se perder, já que um dispositivo feito para informar automaticamente o paradeiro da espaçonave acabou não sendo acionado.

Cientistas tentam redirecionar a nave para seu caminho para que consiga chegar ao planeta vermelho, onde deverá coletar amostras do solo e recolher rochas.
Se tiver êxito, a missão porá fim à escrita de 16 missões marcianas mal-sucedidas.