Geral

Dia das Mães deve movimentar quase R$ 5 milhões em Corumbá

O Dia das Mães deve movimentar quase R$ 5 milhões no comércio de Corumbá. A estimativa é da pesquisa do Instituto Fecomércio – realizada em parceria com a Fundação Manoel de Barros e a Universidade Anhanguera/Uniderp – que levantou o comportamento de intenção de compras para esse período. No Estado, calcula-se que a movimentação financeira […]

Arquivo Publicado em 03/05/2011, às 14h28

None

O Dia das Mães deve movimentar quase R$ 5 milhões no comércio de Corumbá. A estimativa é da pesquisa do Instituto Fecomércio – realizada em parceria com a Fundação Manoel de Barros e a Universidade Anhanguera/Uniderp – que levantou o comportamento de intenção de compras para esse período. No Estado, calcula-se que a movimentação financeira fique na faixa dos R$ 163 milhões na data que é considerada a segunda melhor do ano para o comércio, ficando atrás somente do Natal.

Pelo levantamento da Fecomércio, Corumbá tem movimentação estimada em R$ 4,8 milhões. No maior município pantaneiro, 79% da população economicamente ativa pretendem gastar média de R$ 150 com o presente. A forma de pagamento preferida é à vista, sendo que 57% pagarão em dinheiro e 24% com o cartão de crédito.

Como a intenção de cada consumidor pesquisado é comprar dois presentes, perfumes e cosméticos lideram a lista com 17%; joias e bijuterias aparecem logo atrás com 12% da preferência. A pesquisa revelou ainda que além de homenagear as mães – que é o objetivo da imensa maioria dos entrevistados em Corumbá (63%) -, os consumidores da cidade pretendem presentear esposas (21% deles) e sogras (10%). Um número pequeno (6%), afirmou que deseja dar presente para “outras pessoas”.

O comércio localizado na área central corumbaense é o local onde 79% das pessoas ouvidas pela Fecomércio vão fazer as compras. A internet será usada por 17% dos pesquisados. Lojas de bairros (3%) e supermercados (1%) completam a relação.

A pesquisa foi realizada em nove municípios do Estado (Aquidauana, Campo Grande, Chapadão do Sul, Corumbá, Dourados, Naviraí, Paranaíba, São Gabriel do Oeste e Três Lagoas), responsáveis por 62% do PIB do Estado. Foram entrevistadas 1.798 pessoas, de forma voluntária e anônima, entre os dias 18 e 20 de abril.

Para os pesquisadores da Fundação Manoel de Barros, os consumidores estão mais conscientes do seu poder financeiro e não desejam alongar as suas dívidas. Neste ponto, não existem diferenças entre o comportamento das mulheres e dos homens, mas é uma tendência que surgiu nos entrevistados com mais de 40 anos e nos da classe econômica D. São resultados importantes para os lojistas, pois terão diminuído os seus riscos de inadimplência.

Maior parte vai pagar compras à vista e no dinheiro

O levantamento indicou uma curiosidade na intenção de compras este ano em Corumbá. Na verdade é uma tendência estadual, aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos deixaram o topo da preferência do consumidor. Ano passado, eram as principais opções de presentes.

A parcela de quase 80% da população economicamente ativa corumbaense, que irá às compras planeja presentear as mães com perfumes e cosméticos (17%); joias e bijuterias (12%); calçados (12%); roupas (10%); bolsas e acessórios (10%); flores (6%) e celulares (5%).

Eletroeletrônicos e eletrodomésticos aparecem como opções para 7% e 5% dos entrevistados, respectivamente. Entre os eletroeletrônicos, 23% dos entrevistados disseram que vão comprar aparelho de DVD; 20% vão optar pela câmera digital; 13% para TV e 13% para chapinha para cabelo. Os eletrodomésticos citados foram 18% para máquinas de lavar roupas; 14% para batedeiras, 14% para multiprocessadores e 9% para liquidificadores.

As compras dos consumidores de Corumbá deverão ser à vista, em dinheiro, segundo 57% dos compradores consultados pela pesquisa do Instituto Fecomércio. Outros 24% afirmam que vão usar cartão de crédito; 8% usarão o carnê da loja e 9% o cartão de débito. O cheque pré-datado será usado por 1,4% dos consumidores destas cidades.

Para quem pretende pagar a prazo, o número de três parcelas foi a opção apontada por 62% dos entrevistados. Entre quatro e seis parcelas, foi a escolha de 22%. O parcelamento deve ocorrer entre os consumidores que pretendem comprar eletrodomésticos ou eletroeletrônicos.

No Estado

A pesquisa, que teve os dados divulgados na sexta-feira, 29 de abril, mostrou que o valor médio de cada presente, no Estado, ficará ao redor de R$ 121 e os pagamentos devem ser feitos à vista. 61% dos compradores indicaram que vão usar dinheiro para as compras; 22% vão pagar com cartão de crédito e 5% com o cartão de débito.

Apenas 2,3% dos consumidores indicaram a intenção de pagar por meio de cheque e 7% desejam comprar a prazo utilizando o carnê da loja. Para os poucos que irão comprar a prazo, a preferência é liquidar a dívida em até três parcelas (67% dos entrevistados). 24% preferem pagar em quatro ou seis vezes. A maioria da escolha de parcelamento das compras está relacionada aos valores mais altos.

Jornal Midiamax