Geral

Com obras emergenciais, crateras na região norte de Campo Grande são problema antigo

Na rua Marquês de Herval, do bairro Nova Lima, a erosão chegou ao ponto de invadir a pista onde transitam veículos e linhas de ônibus. O prefeito Nelson Trad lançou nesta semana obras emergenciais no local.

Arquivo Publicado em 04/05/2011, às 12h26

None
128318295.jpg

Na rua Marquês de Herval, do bairro Nova Lima, a erosão chegou ao ponto de invadir a pista onde transitam veículos e linhas de ônibus. O prefeito Nelson Trad lançou nesta semana obras emergenciais no local.

Apesar de serem alvo de medidas emergenciais, as crateras que tiram o sossego de moradores na região norte de Campo Grande são problema antigo. No Taquaral Bosque, a erosão, que segundo moradores tem mais de 10 anos, já serve até de refúgio para usuários de drogas.

“Todo dia tem gente fumando aí, esses dias teve um homem que tirou a roupa e ficou se mostrando para os meus filhos de lá, sem falar os ladrões que tem aqui”, reclama a coletora de materiais recicláveis Ednéia Varanda Cardoso, 36, que mora com sete filhos em frente à cratera. Ela mora no local há seis anos e acredita que o problema já existia quando se mudou para o bairro.

Os moradores afirmam que o problema das erosões piorou após obras de asfaltamento sem sistemas de captação da fluvial. Com o asfalto novo, toda água das chuvas corre da região dos Novos Estados, principalmente pela avenida Panônia, e abre ainda mais o buraco.

No ano passado, quando a reportagem esteve no Taquaral Bosque e conversou com o presidente do bairro, Antônio Chapurá, ele já havia falado sobre o projeto da prefeitura para a construção de um parque ecológico no local, além do término do asfalto.

Já na rua Marquês de Herval, no bairro Nova Lima, onde o prefeito Nelson Trad esteve na segunda-feira (2) para lançar obras emergenciais de contenção da erosão, o problema chegou ao ponto de invadir a pista onde transitam veículos e linhas de ônibus.

“Ainda bem que parou de chover, quando chove a gente não consegue nem dormir direito”, disse o trabalhador de serviços gerais Fernando Bezerra da Silva, 47, morador da rua Sebastião Pereira Borges, bem em frente ao pior trecho comprometido.

“Neste local, serão realizadas obras de captação de água, drenagem pluvial, câmaras de amortecimento e pavimentação asfáltica”, disse o secretário municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação (Seintrha), João Antonio De Marco.

A cratera do Nova Lima formou “dois braços”, um deles que chegou a Marques de Herval e o outro próximo de casas na rua Sebastião Pereira Borges. A recuperação do estrago que atingiu metade da pista pavimentada deve custar em torno de R$ 10 milhões aos cofres públicos segundo a prefeitura.

O prefeito Nelson Trad Filho disse que o trabalho faz parte das obras do programa emergencial de recuperação de estragos provocados pelas chuvas, com verbas solicitadas em Brasília (DF). Segundo o prefeito, a reconstrução foram iniciadas sem a liberação dos recursos.

“Deixamos com o ministro da Integração Nacional um projeto detalhado sobre as obras necessárias para reconstruir pontos da cidade, num total de R$ 35 milhões, sendo R$ 10 milhões somente para as obras no Nova Lima”, disse Trad.

Jornal Midiamax