Geral

Analistas esperam redução de meio ponto percentual na taxa básica de juros

Analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central (BC) esperam por mais uma redução de 0,50 ponto percentual na taxa básica de juros, a Selic, este mês. O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reúne-se amanhã (18) e na próxima quarta-feira para definir a taxa básica, que atualmente está em 12% ao ano. Na […]

Arquivo Publicado em 17/10/2011, às 11h39

None

Analistas do mercado financeiro consultados pelo Banco Central (BC) esperam por mais uma redução de 0,50 ponto percentual na taxa básica de juros, a Selic, este mês. O Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reúne-se amanhã (18) e na próxima quarta-feira para definir a taxa básica, que atualmente está em 12% ao ano. Na reunião anterior, em agosto, o comitê reduziu a taxa em 0,50 ponto percentual.


Os analistas esperam uma nova redução no mesmo patamar na última reunião do ano, marcada para 29 e 30 de novembro. Assim, a Selic encerrará o período em 11% ao ano, estimativa mantida há cinco semanas. Para o fim de 2012, a expectativa para a Selic segue em 10,50% ao ano, há duas semanas.


A Selic é um dos instrumentos usados pelo BC para controlar a demanda por bens e serviços e, por consequência, a alta dos preços. A meta de inflação para este ano é de 4,5%, com limite superior de 6,5%. A expectativa dos analistas para este ano é que o teto da meta seja ultrapassado, já que a estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) está em 6,52%, projeção mantida há três semanas.


Para 2012, a estimativa está se distanciando do centro da meta. Os analistas elevaram pela sétima semana seguida a projeção, que subiu de 5,59% para 5,61%.


Enquanto as estimativas para os preços sobem, a previsão para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB) cai. Para este ano, a estimativa foi reduzida pela segunda semana seguida, ao passar de 3,50% para 3,42%. Em 2012, a expectativa caiu de 3,70% para 3,60%.


Segundo o último Relatório de Inflação, a expectativa do BC é que a crise econômica externa contribuirá para intensificar e acelerar o processo de moderação da atividade econômica do Brasil. Ao reduzir a taxa básica de juros, o BC estimula a economia do país.



Jornal Midiamax