Geral

Agesul interdita ponte de madeira no Passo do Lontra

A ponte de madeira sobre o rio Miranda na rodovia MS-184, região do Passo do Lontra, será interditada para “reparos emergenciais”, informa a Agesul de Corumbá. Inicialmente, a interdição será por três dias. O diretor executivo da 8ª Residência Regional da Agesul, Luiz Mário Anache, informou que o tráfego de veículos pela ponte ficará proibido […]

Arquivo Publicado em 30/11/2011, às 15h28

None
545400197.jpg

A ponte de madeira sobre o rio Miranda na rodovia MS-184, região do Passo do Lontra, será interditada para “reparos emergenciais”, informa a Agesul de Corumbá. Inicialmente, a interdição será por três dias.


O diretor executivo da 8ª Residência Regional da Agesul, Luiz Mário Anache, informou que o tráfego de veículos pela ponte ficará proibido no período de 02 a 04 de dezembro. O rompimento de uma viga determinou a interdição. De acordo com o diretor da Agesul, o tráfego de carro pela Estrada Parque chega até o Km 33 (no sentido Corumbá – Campo Grande) e até o Km 7 (sentido Campo Grande – Corumbá).


O empresário João Venturini Júnior disse a este Diário que os hóspedes da Pousada Passo do Lontra e Passo do Lontra Parque Hotel terão o cruzamento do rio Miranda garantido por embarcações próprias.


Nova ponte


Uma ponte de concreto está sendo construída sobre o rio Miranda, exatamente na região do Passo do Lontra, entre os municípios de Miranda e Corumbá. A obra, do Governo do Estado, está em fase final de construção.


A estrutura de 240 metros de comprimento e 10,80 metros de largura é uma referência gigantesca em comparação à antiga ponte de madeira, de apenas três metros acima do nível do rio e constantemente sujeita à inundação em período de cheia. A segurança contra inundações é garantida pela altura, 7,40 metros sobre o leito tendo como base a maior cheia histórica do rio Miranda.


A dimensão lateral da estrutura conta com um vão de 100 metros de largura de margem a margem. A ponte está localizada a cerca de 10 quilômetros na rodovia MS-184 – a Estrada Parque – e será garantia de acesso Pantanal mesmo com a subida das águas.


A substituição da ponte de madeira demanda investimentos de cerca de R$ 16 milhões, sendo metade desse valor de recursos próprios e o restante do Ministério do Turismo. Com informações do Notícias MS.

Jornal Midiamax