Geral

Michel Temer ressalta apoio de Tatiana Ujacow e diz que Lula foi estadista e governou sem discriminação

Candidato a vice-presidente visita Campo Grande e atrai 30 prefeitos e cerca de 400 lideranças políticas. Para Temer, conservadores têm "estrabismo" para ver as qualidades do governo Lula

Arquivo Publicado em 22/10/2010, às 00h00

None

Candidato a vice-presidente visita Campo Grande e atrai 30 prefeitos e cerca de 400 lideranças políticas. Para Temer, conservadores têm “estrabismo” para ver as qualidades do governo Lula

O candidato a vice-presidente Michel Temer (PMDB) foi a estrela do encontro político que atraiu 30 prefeitos sul-mato-grossenses e cerca de 400 lideranças políticas e empresários em torno do apoio a Dilma Rousseff à presidência da República.


Temer desembarcou no Aeroporto Internacional de Campo Grande por volta das 16h30 desta quinta-feira (21), e tomou café no centro da cidade antes de seguir para o evento na sede do Rádio Clube.


Em discurso, Temer questionou o ideário de que Lula e Dilma sempre são derrotados em estados conservadores, como Mato Grosso do Sul. O candidato disse que há engano nesse pensamento, e que alguns conservadores têm “estrabismo” que não permite verificar que Lula teve um bom governo.


“Por acaso Lula perseguiu a classe produtora do país, o setor financeiro? Desprestigiou o setor da construção civil? Desvalorizou o agronegócio? Pleiteou o terceiro mandato? Não”, afirmou. Para Temer, Lula comportou-se como um estadista e governou sem discriminação.


Temer rejeitou a afirmação de que a liberdade de imprensa sofreu violações no governo petista. “Nesses oito anos, alguém foi mais criticado do que o presidente Lula, pela imprensa brasileira? O governo foi criticadíssimo. Houve algum impedimento da liberdade de imprensa? Ao contrário, o que há é sempre o enaltecimento da liberdade de comunicação”, afirmou.


Ao final do encontro político, Temer comunicou que faria uma visita rápida e protocolar ao governador André Puccinelli. Em seguida Temer foi a duas reuniões políticas lideradas por religiosos e embarcou por volta das 21 horas para o Rio Grande do Sul.


Ausências sentidas


Notórios “dilmistas” do PMDB não compareceram ao encontro, como o presidente da Câmara de Campo Grande, Paulo Siufi, e o deputados eleitos Fábio Trad (federal) e Marquinhos Trad (estadual). Apesar disso, os irmãos Trad receberam Temer no aeroporto, enquanto Siufi estava em um debate promovido por religiosos, onde o candidato a vice marcou presença.


Apoio de Tatiana Ujacow é “aliança extraordinária”


Dirigindo-se a Tatiana Ujacow, Michel Temer agradeceu o apoio recebido do PV em Campo Grande, o que chamou de uma “aliança extraordinária”. A ex-candidata a vice ao governo do Estado foi uma das mais assediadas durante o encontro político. Tatiana simbolizou parte dos votos dos eleitores na candidata Marina Silva à presidência no primeiro turno. Temer afirmou que a adesão de Tatiana tem peso muito significativo em razão das prioridades que movem sua atuação política: a saúde e a causa ambiental. O candidato a vice-presidente assegurou a Tatiana o compromisso da chapa Dilma/Temer com suas prioridades.


Dilma terá o “melhor” do PMDB


O senador Valter Pereira (PMDB) afirmou que seu partido andará ao lado da presidenciável petista na campanha em Mato Grosso do Sul. “O que havia de melhor no PMDB, nós colocamos ao lado da candidatura de Dilma”.


Ampliação do aeroporto de Campo Grande


Entre as propostas para o Estado caso seja eleito, Michel Temer destacou a ampliação do Aeroporto Internacional de Campo Grande. O candidato a vice garantiu que ouvirá as propostas da bancada parlamentar sul-mato-grossense. “Na vice-presidência não teremos portas para Mato Grosso do Sul”, disse.(Editada às 22h25 para acréscimo de informações)

Jornal Midiamax