Geral

Advogado de defesa diz que quer acelerar julgamento do casal Nardoni

O advogado de defesa do casal Nardoni, Roberto Podval, disse, na noite desta terça-feira (23), que não é bom para a defesa que o julgamento demore. Ele afirmou que os advogados de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá irão se reunir nesta noite para decidir o que será feito para acelerar o júri. A estimativa […]

Arquivo Publicado em 23/03/2010, às 21h37

None

O advogado de defesa do casal Nardoni, Roberto Podval, disse, na noite desta terça-feira (23), que não é bom para a defesa que o julgamento demore. Ele afirmou que os advogados de Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá irão se reunir nesta noite para decidir o que será feito para acelerar o júri. A estimativa divulgada inicialmente pelo Tribunal de Justiça é de que o júri dure até a sexta-feira (26).

Podval afirmou que não é interessante que o júri se prolongue por muito tempo porque os jurados ficam cansados. Em entrevista após o julgamento, ele disse que “há muitas coisas estranhas” na investigação da polícia e citou, por exemplo, o fato de a acusação fazer um filme em que vai mostrar que a menina Isabella foi ferida com uma chave, embora a delegada Renata Pontes não tenha feito a perícia no objeto.

Segundo ele, Renata falou em depoimento que pode ser que a chave não tenha provocado ferimento na menina. O advogado também reforçou o fato de não ter sido encontrado sangue na roupa que seus clientes usavam na noite do crime.

Ele também questionou o fato de não terem sido analisadas as unhas dos clientes dele diante da constatação da menina ter sido arranhada, como apontou o médico legista do IML, Paulo Sérgio Tieppo, que examinou o corpo.

Eles [Alexandre e Anna Jatobá] foram levados para o IML naquele dia [da morte]. Fizeram vários exames, menos na unha. Não parece uma investigação séria.

Segundo dia

Este segundo dia de julgamento do caso Isabella no Fórum de Santana, na zona norte de São Paulo, começou com atraso e terminou com antecedência. Previsto para ter início às 9h, o primeiro depoimento – da delegada do 9º Distrito Policial, Renata Pontes – só ocorreu a partir das 10h05. Já o término do júri, que segundo a assessoria do Tribunal de Justiça de São Paulo deveria ocorrer às 21h, aconteceu às 19h30, após o perito criminal baiano Luiz Eduardo Carvalho falar ao júri.

Até agora, das 16 testemunhas convocadas pela defesa e acusação , apenas quatro prestaram depoimento. Na segunda-feira (22), a mãe de Isabella, Ana Carolina Oliveira falou aos jurados. Nesta terça, foram ouvidos a delegada, o médico legista do IML e o perito criminal baiano.

Previsão do tribunal

No final desta manhã, a assessoria do Tribunal de Justiça havia divulgado uma expectativa sobre o andamento do julgamento do caso Isabella. A previsão era de que, até o meio da tarde desta terça-feira, fossem ouvidas todas as testemunhas de acusação – uma só da acusação e três em comum com a defesa.

A perspectiva era de que até a hora do almoço da quarta-feira (24) todos os depoimentos fossem concluídos, incluindo os da defesa. Caso a estimativa fosse cumprida, os réus Alexandre Nardoni, de 31 anos, e Anna Carolina Jatobá, de 26, serão ouvidos na tarde da quarta. Com o depoimento do perito criminal baiano, a meta desta terça foi cumprida.

Jornal Midiamax