Obra de revitalização que se estende desde meados de 2022, os serviços no Estádio Pedro Pedrossian, o Morenão, seguem a passos lentos e perde de receber mais uma temporada de bola rolando em competições estaduais e nacionais.

A (Fundação de Apoio à Pesquisa, ao Ensino e à Cultura) é responsável pela obra e informou ao Jornal Midiamax que as obras da fase 2 foram concluídas. Essa parte do trabalho envolvia os banheiros do estádio e vestiários para jogadores.

Conforme a fundação, a fase 1 da obra está em processo de orçamentação, com previsão para ser entregue no final de janeiro de 2024. Com o orçamento em mãos, será publicado o para a contratação de empresa para tocar as obras.

Essa parte envolve os serviços de execução do Piscip (Projeto Segurança Contra Incêndio e Pânico), instalações elétricas e o SPDA (Sistema de Proteção contra Descargas Atmosféricas). Com essa fase pendente, obra de revitalização do Morenão deve completar dois anos sem conclusão.

Além disso, segundo a Fapec – que atua como instituição de apoio à gestora do estádio, a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) – os mais de 50 anos desgastaram a estrutura, o que propicia o surgimento de fatores inesperados à medida que avançam as reformas. Por isso, prazos são difíceis de ser estipulados.

Morenão
Interior do Morenão (Divulgação, UFMS)

Atraso

As obras de revitalização fazem parte do pacote de R$ 120 milhões do Governo de MS ao esporte do Estado, divulgado em outubro de 2021 – após aniversário de 40 anos de funcionamento. O investimento total pelo Governo do Estado é de R$ 9,4 milhões.

Alguns meses após o anúncio, a Fundesporte (Fundação de Desporto e Lazer de MS) alegou que o dinheiro já estava com a UFMS no final de 2021. Entretanto, a ‘Federal' dizia que a Fapec ainda fazia as licitações.

Após um bate e rebate sobre atrasos entre a Fundesporte e a Universidade, as obras do Morenão começaram apenas em junho de 2022. O processo de revitalização se divide em três etapas: estrutura e banheiros; parte elétrica; e acessibilidade e pânico.

Morenão
Estádio Morenão (Divulgação, Governo de MS)

Morenão apagado

Há cerca de um ano, o Jornal Midiamax questionou a Fapec sobre o andamento e o prazo para conclusão era em até 4 meses, ou seja, em junho de 2023. O que não ocorreu. Se o Morenão estivesse pronto, receberia um dos eventos esportivos mais ‘estelares' dos últimos anos. Porém, suas luzes continuaram apagadas.

O fatídico “Jogo dos Amigos do Éder Militão” poderia ser histórico para MS e para o próprio estádio, que já teve até visita de ovnis. Conforme o Corpo de Bombeiros, uma visita técnica ao estádio confirmou a viabilidade da realização do jogo beneficente.

Entretanto, os organizadores precisariam correr contra o tempo para providenciar a documentação e manutenção. Parte do problema, os vestiários ainda estavam em obras naquela época.

Sem Morenão, times de Campo Grande que disputam o Campeonato Estadual dividem o Estádio das novamente. Neste ano, Operário, Portuguesa e Náutico têm mando de campo no Jacques da Luz. O Novo, que também é da Capital, ‘largou mão' e fechou com o Estádio Municipal Sotéro Zárate, em Sidrolândia.

Além do Estadual, competições nacionais como Copa do Brasil e Brasileirão Série D também estão previstas para Mato Grosso do Sul em 2024.