Novamente o Palmeiras mostrou um futebol nada agradável aos olhos do público. No Allianz Parque, no jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil, o time alviverde flertou com o tropeço e se safou com gol de Estêvão no último minuto. A vitória por 2 a 1 sobre o Botafogo dá a vantagem do empate, em Ribeirão Preto, para ficar com a vaga nas oitavas de final.

Abel Ferreira optou por poupar alguns titulares – como Weverton, Gómez, Piquerez, Ríos e López -, mas insistiu com Raphael Veiga, que há muito tempo não faz um bom jogo. É difícil acreditar que haja problemas físicos com o meia dada a sequência incessante a que tem feito na equipe principal.

O time alviverde dá sinais de esgotamento. Obviamente, sendo o Palmeiras – e o Palmeiras de Abel -, não é recomendável apontar qualquer ponto final. Há dois meses, um confronto entre os mesmos dois adversários pelo Paulistão terminou deixando a mesma impressão, de declínio físico e técnico. Em um mês com nove partidas, cabe ao treinador dar oportunidades àqueles que merecem ao menos alguns minutos.

Palmeiras e Botafogo voltam a se enfrentar no dia 23, às 19h, em Ribeirão Preto. Neste domingo, às 18h30, o conjunto alviverde tem compromisso na capital mato-grossense, onde enfrenta o Cuiabá pelo Brasileirão. O time tricolor, por sua vez, mede forças com o Mirassol, em casa, na terça-feira, às 21h, pela Série B.

O Palmeiras não deu sossego à defesa do Botafogo no início da partida. Os donos da casa foram constantemente ao setor ofensivo em busca do primeiro gol do jogo. A equipe de Ribeirão Preto se concentrou nos contragolpes. Um deles quase deu certo. Wallison ficou frente a frente com Lomba, tocou de cavadinha e perdeu.

Apesar do domínio do Palmeiras, o Botafogo se mostrou capaz de levar perigo. O andar do ponteiros fez mal à equipe alviverde. As dificuldades se acentuaram. Endrick e Estêvão se destacaram, mas a má fase de Raphael Veiga contribuiu para que os donos da casa não conseguissem inaugurar o marcador na etapa inaugural. Diante das propostas de jogo, o clube de Ribeirão Preto foi melhor no primeiro tempo.

A má atuação de Veiga fez Abel decidir por sacá-lo de campo no intervalo. Rony entrou em seu lugar, com Lázaro sendo deslocado para a armação das jogadas. Com protagonismo de Endrick, finalmente, o Palmeiras fez o primeiro. O garoto fez fila e acertou a trave na orgiem do lance. Na retomado, o atacante encontrou Mayke pelo lado direito da grande área. O lateral tocou para trás, e Rony concluiu para o gol, aos 11 minutos.

Rony é um caso raro no futebol nacional. A soma de erros tão intensa deixa qualquer um na expectativa de quando será o próximo. Quando o camisa 10 marca um gol, o cenário se habilita a uma transformação, mas em pouco tempo tudo cai por terra. Aos 26, ele tinha o gol aberto à sua frente para fazer mais um, chutou fraco e ainda em cima do companheiro de equipe, Estêvão. Não demorou, para ele retornar à glória. Mas foi alarme falso. Aos 32, marcou de cabeça, porém, o lance foi anulado por impedimento.

Quando o jogo caminhava para seu encerramento, o Botafogo conseguiu encontrar o gol de empate. Patrick Brey aparece na área para finalizar, contou com um erro crasso de Marcelo Lomba e marcou aos 45 minutos. No último minuto, Estêvão fez o seu, após belo passe de Rômulo e deu a vitória ao Palmeiras.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 2 x 1 BOTAFOGO-SP

PALMEIRAS – Marcelo Lomba; Mayke, Luan, Murilo e Caio Paulista (Piquerez); Aníbal Moreno (Fabinho), Gabriel Menino (Richard Ríos) e Raphael Veiga (Rony); Lázaro (Rômulo), Endrick e Estêvão Técnico: Abel Ferreira.

BOTAFOGO-SP – Michael; Lucas Dias, Matheus Costa e Bernardo Schappo; Wallison, Gustavo Bochecha (Fillipe Soutto), Matheus Barbosa (Douglas Baggio), Emerson Ramon (Robinho) e Patrick Brey; Alex Sandro (João Costa) e Toró (Leandro Pereira). Técnico: Paulo Gomes.

GOLS – Rony, aos 11, Patrick Brey, aos 45, Estêvão aos 53 minutos do 2º tempo.

CARTÕES AMARELOS – Mayke, Estêvão, Abel Ferreira, Douglas Baggio, Lucas Dias, Alex Sandro, Gustavo Bochecha e Paulo Gomes

ÁRBITRO – Bruno Pereira Vasconcelos (BA).

PÚBLICO – 33.010 torcedores.

RENDA – R$ 1.958.227,64.

LOCAL – Allianz Parque, em São Paulo (SP).