O Corinthians começou o Brasileirão exalando desconfiança neste domingo, na Neo Química Arena. Mesmo atuando com um jogador a mais por todo o segundo tempo, o time da casa não conseguiu superar a defesa do Atlético-MG e ficou no empate sem gols na estreia do torneio nacional.

Hesitante, o Corinthians não foi capaz de tomar as rédeas do jogo para sair de campo com a vitória. O que se viu na goleada sobre o frágil Nacional-PAR no último jogo, de fato, foi esquecido. Nem mesmo a retomada de postura vista na Sul-Americana trouxe reflexos para o Brasileirão. Quando teve a obrigação de dominar o jogo, a timidez tomou conta dos jogadores Uma das poucas exceções foi o garoto Wesley, raro destaque na partida.

Um time que não se impõe dentro da própria casa terá muitas dificuldades no Brasileirão. O Corinthians não deixa boas sensações em seus torcedores. Falta muito para colocar a equipe entre as candidatas à parte alta da tabela de classificação. Além disso, é preciso contestar o nível da arbitragem de Yuri Elino Ferreira da Cruz, que não mostrou o mesmo rigor para as duas equipes no momento de mostrar vermelho para Battaglia e não exibi-lo para Fagner.

O Corinthians iniciou a partida com uma marcação-pressão sobre os atleticanos, dando trabalho para os visitantes saírem jogando com a bola no chão. Ainda assim, o Atlético-MG manteve maior posse de bola e criou chances mais perigosos, enquanto os donos da casa apostaram na bola parada.

Travado, o jogo passou a ficar mais físico, com faltas duras trocadas de parte a parte. A arbitragem distribuiu cartões amarelos e irritou atletas e comissões técnicas. Essa característica impediu que a partida se desenrolasse da forma esperada, somando falhas técnicas, especialmente na construção de jogadas ofensivas.

O Atlético chegou a balançar as redes com Saravia, mas o lance foi bem anulado. No encerramento do primeiro tempo, Battaglia foi expulso de campo após receber o segundo cartão amarelo, deixando o Corinthians em vantagem numérica. Minutos antes, Fagner também deveria ter recebido o vermelho, mas a arbitragem escolheu aplicar somente o amarelo após o lateral corintiano acertar o adversário com as travas da chuteira.

Diante das circunstâncias, Corinthians e Atlético-MG voltaram para o segundo tempo com posturas diferentes. Os donos da casa ficaram com a bola no pé, já os visitantes buscaram os contragolpes. Ainda assim faltava aos corintianos mais ambição. Quem rompeu essa timidez foi Wesley, garoto de 19 anos, que arriscou dribles e finalizações.

A inoperância ofensiva fez António Oliveira mudar o meio-campo corintiano, puxando Raniele para a zaga e colocando Paulinho e Maycon em campo nos lugares de Gustavo Henrique e Fausto Vera. Sem resultado, o português optou por formar uma dupla de centroavantes, com Yuri Alberto e Pedro Raul. Assim mesmo, o placar não saiu do zero.

Na próxima quarta-feira, às 20h, o Corinthians terá seu segundo desafio no Brasileirão em visita ao Juventude, no Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul. No mesmo dia e horário, o Atlético recebe, na Arena MRV, em Belo Horizonte, o Criciúma.