Foram somente seis rodadas, ou um terço das Eliminatórias Sul-Americanas, mas o continua dando mostras de que não terá problemas para se garantir na do Mundo de 2026. A seleção de Marcelo Bielsa ganhou a terceira partida seguida, agora com tranquilos 3 a 0 sobre a Bolívia, no Estádio Centenário de Montevidéu, nesta terça-feira, e fechará o ano entre as melhores do continente.

Depois de sofrer nas Eliminatórias passadas, na qual passou aperto e só chegou à classificação graças a arrancada final com quatro triunfos seguidos, o Uruguai agora parece caminhar sem sustos, com 13 pontos. E dorme tranquilo, entre os melhores, aguardando o retorno da competição, marcado somente para setembro de 2024, quando recebe o Paraguai e depois sai para encarar a Venezuela.

Sem sustos, o Uruguai não teve trabalho para bater a Bolívia. Agora são 13 gols marcados pelo ataque mais arrasador da competição, com destaque para o artilheiro Darwin Nuñez, que já soma cinco e foi o responsável por abrir caminho para a goleada desta terça e ainda anotou o terceiro do time.

A seleção uruguaia entrou em campo no Estádio Centenário de Montevidéu empolgada após dois gigantes triunfos contra Brasil e Argentina, principais rivais do continente, ambos por 2 a 0. E sob obrigação de não desperdiçar pontos.

Contra uma oponente que desencantou somente na rodada passada para deixar a lanterna das Eliminatórias, Marcelo Bielsa manteve a mesma base que brilhou na Bombonera. Novidades, apenas, a volta de Giménez desde o início, livre das dores, na defesa, e com Bentancur no meio e Olivera na frente para aumentar o poder de fogo.

Em um gramado molhado por causa da chuva, os uruguaios começaram em cima. A pressão era enorme e o gol parecia questão de tempo. Araújo e Nuñez mandaram raspando e Valverde perdeu chance clara. Aos 14 minutos, porém, a barreira verde ruiu. Pellistri foi ao fundo e cruzou com precisão para Darwin Nuñez inaugurar o marcador – quarto gol do atacante do Liverpool nas Eliminatórias

Em seu último jogo oficial na Bolívia, o atacante Marcelo Moreno era um espectador em campo. A equipe dirigida por Antonio Carlos Zago não conseguiu passar do meio-campo e o camisa 9 começou a voltar quase em sua área para tentar ajudar os companheiros a saírem de trás.

A partida continuou com o melhor ataque das Eliminatórias testando seu poder diante da defesa mais vazada. Aos 38, um lance estranho resultou no segundo gol dos uruguaios. Cobrança de escanteio, o goleiro Viscarra corta de soco, mas a bola bate no zagueiro Villamil e termina nas redes. Gol contra bisonho. A etapa terminou sem nenhuma finalização boliviana.

A etapa final seguiu a mesma tônica dos 45 minutos iniciais. O Uruguai chegava como queria e desperdiçava oportunidades, ora por excesso de preciosismo, ora por falta de pontaria ou defesa de Viscarra.

Com o time com a pontaria ruim, Bielsa chamou Arrascaeta e o ídolo Suárez e o frisson nas arquibancadas lotadas foi enorme. O astro está de volta a seleção após a disputa da Copa do Mundo. Antes de sair, Darwin Nuñez ampliou, de cabeça, e recebeu aplausos do camisa 9, na beirada do campo.

Arrascaeta quase serviu Suárez para a transformação de vitória em goleada. O goleiro boliviano salvou com os pés. O novo momento de emoção veio aos 41 minutos, quando Marcelo Moreno se despediu de vez ao ser substituído. Com lágrimas nos olhos, recebeu abraços dos companheiros, do técnico Antônio Carlos Zago, de Suárez e de outros uruguaios e saiu aplaudido de pé até pela torcida adversária em linda demonstração de fair play.

Antes do apito final, ainda deu tempo de Suárez carimbar o travessão em belo giro dentro da área já nos acréscimos. O atacante do lamentou a chance perdida, mas a festa uruguaia já estava garantida.

Saiba Mais