Antes da a bola rolar, ninguém entendeu a opção do técnico Bruno Lage em deixar o atacante Tiquinho Soares no banco de reservas. Com cinco minutos em campo, o artilheiro evitou o desastre no Engenhão, ao empatar o duelo contra o por 1 a 1, nesta segunda-feira, no encerramento da 25ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com o empate, o time carioca aumentou para quatro jogos sem vencer na competição.

A pressão segue forte sobre o líder do campeonato. Após a derrota do Palmeiras, o time poderia aumentar sua gordura para nove pontos, ficando apenas com sete de vantagem sobre o novo vice-líder, o Red Bull Bragantino, que soma 45. Já o Goiás, não teve muito o que reclamar. O ponto ganho fora de casa tirou o time da zona de rebaixamento, em 16º lugar, com 27, e empurrou o Vasco, de novo, para a zona da degola.

A partida começou eletrizante. Quem deu as caras primeiro foi o Goiás, surpreendendo o . Com cinco minutos, o time do centro-oeste obrigou Lucas Perri a intervir no chute de Allano.

O Botafogo subiu as linhas e quase abriu o placar com Diego Costa. Apertando a saída de bola, o atacante entrou livre na área, fintou a marcação, mas bateu em cima de Tadeu, que saiu, fechou o ângulo e espalmou.

Jogando com coragem, o Goiás marcou forte e abriu o placar aos 26 minutos. Após cobrança de escanteio, o zagueiro Lucas Halter apareceu na primeira trave e cabeceou para o fundo das redes. O gol deixou os donos da casa nervosos. Tentando resolver logo, errava passes e não conseguia criar situações de gols.

A ida aos vestiários foi sob vaias e protestos, principalmente contra o técnico Bruno Lage, que deixou Tiquinho Soares como opção no banco de reservas.

Na segunda etapa, o técnico português desfez suas mudanças iniciais e voltou com Tiquinho Soares e Luis Henrique. O resultado foi imediato. Luis Henrique serviu o Tiquinho Soares que avançou sobre a marcação. O artilheiro cortou para o meio e mandou na gaveta do gol do Goiás. Um golaço. Tiquinho voltou a marcar após dois meses e agora tem 14 gols ainda na artilharia do Brasileirão.

A igualdade deixou o duelo aberto. Os donos da casa invertiam as jogadas para abrir espaço, enquanto os tinham o contra-ataque como arma para surpreender.

O jogo seguiu intenso. O Botafogo imprimia um bom ritmo, mas sem conseguir entrar na área do Goiás. A imposição física era o diferencial das equipes. Tchê Tchê recebeu de Segovinha e acertou o travessão. No contragolpe, Apodi serviu Matheus Babi, mas Adryelson salvou o Botafogo de uma tragédia.

Na reta final, o líder foi para o tudo ou nada. Mesmo com a blitz, o time carioca parou na defesa goiana e não evitou o empate no Engenhão. O time acabou vaiado e o técnico Bruno Lage, xingado de burro, levantou os braços e aplaudiu a torcida.

O Botafogo volta a campo no próximo domingo, quando tem pela frente o clássico contra o Fluminense, às 16h, no Maracanã. Já o Goiás abre a 26ª rodada contra o Bahia, às 16h de sábado, na Serrinha.

FICHA TÉCNICA

BOTAFOGO 1 X 1 GOIÁS

BOTAFOGO – Lucas Perri; Tchê Tchê (Di Plácido), Adryelson, Víctor Cuesta e Hugo; Marlon Freitas, Gabriel Pires (Luis Henrique) e Eduardo; Júnior Santos (Tiquinho Soares), Victor Sá (Segovinha) e Diego Costa. Técnico: Bruno Lage.

GOIÁS – Tadeu; Maguinho, Lucas Halter, Bruno Melo e Hugo; Willian Oliveira (Matheus Babi), Morelli e Guilherme Marques (Raphael Guzzo); Allano (Apodi), Anderson Oliveira (Alesson) e João Magno (Sidimar). Técnico: Armando Evangelista.

GOLS – Lucas Halter, aos 26 minutos do primeiro tempo. Tiquinho Soares, aos cinco minutos do segundo.

CARTÕES AMARELOS – Lucas Perri, Tiquinho Soares, Victor Sá e Diego Costa (Botafogo); Allano, Maguinho, Lucas Halter e Morelli (Goiás).

ÁRBITRO – Bráulio da Silva Machado (FIFA-SC).

RENDA – R$ 1.371.485,00.

PÚBLICO – 34.294 torcedores.

LOCAL – Estádio Nilton Santos (Engenhão), no (RJ).