A seleção brasileira feminina de basquete vai ter de se superar para garantir vaga nos Jogos Olímpicos de Paris-2024. Em sorteio do Pré-Olímpico em Sopron, na Hungria, nesta quinta-feira, a equipe nacional não deu sorte ao cair em chave bastante complicada contra as fortes Austrália, Sérvia e Alemanha.

Campeã da Americup em julho ao desbancar os na decisão disputada em León, no México, a equipe dirigida por José Neto tem a seu favor o fato de o Pré-Olímpico ocorrer no País. A Confederação Brasileira de Basquete (CBB) optou por levar a decisão da vaga para Belém, entre os dias 8 e 11 de fevereiro.

O Pré-Olímpico conta com quatro grupos com quatro seleções cada e os três melhores se garantem em Paris-2024. Em tese, basta uma vitória para obter a vaga, com Austrália e Sérvia chegando como favoritas e o Brasil brigando pela classificação com a Alemanha, justamente a última rival.

Pelo sorteio realizado pela Federação Internacional de Basquete (FIBA), ficou definido que o Brasil abre sua participação contra a Austrália, depois encara a Sérvia, antes do “confronto direto” com as alemãs.

A seleção brasileira não ganha da potente equipe da Austrália desde 2002, a oponente mais difícil no Pré-Olímpico. Contra as europeias, o tabu também é longo: vem desde 2012, quando superou a Grã-Bretanha. No ano passado, no Pré-Mundial, a equipe teve pela frente a Austrália e a Sérvia e acabou derrotada para ambas Levou 65 a 52 das australianas e 76 a 70 das campeãs europeias. Ainda caiu diante da Coreia do Sul.

Os outros grupos sorteados para o Pré-Olímpico terão a cabeça de chave diante de América 2, Nova Zelândia e França, enquanto a Bélgica, também sede, encara Estados Unidos, e Senegal e, por fim, a chave disputada na Hungria terá as donas da casa diante da Espanha, América 1 e Japão.