Marcelo precisou de 64 minutos para mostrar que pode ser bastante útil ao . Em sua estreia, nesta quarta-feira, o lateral-esquerdo mostrou liderança em campo, orientou, ajudou na marcação e ainda iniciou a linda jogada do gol da virada sobre o Sporting Cristal, por 3 a 1, no Peru, com belo passe de três dedos. Artilheiro do clube no ano, Cano anotou dois gols na imponente virada da equipe brasileira, superior em campo desde o apito inicial.

Com o triunfo, a equipe carioca soma os mesmos três pontos do boliviano The Strongest. Eles dividem o primeiro lugar com saldo de dois gols (o time boliviano fez 3 a 1 no River Plate na terça-feira). Disposto a encaminhar rapidamente sua vaga às oitavas, o triunfo fora é gigante, pois agora os comandados de Fernando Diniz fazem dois embates no Maracanã. Dia 18 de abril recebe o Strongest para se isolar na liderança e depois, dia 2 de maio, hospeda o River Plate.

Único time brasileiro a ganhar na fase de grupos da até agora, o Fluminense chega à quinta vitória em seu primeiro jogo na competição. São outros quatro empates no histórico e nenhuma derrota na estreia. Mantém as boas largadas e ainda celebra ver Marcelo jogando em alto nível.

Dezessete anos após deixar o Brasil para fazer história no Real Madrid, o lateral-esquerdo voltou a defender o clube carioca com personalidade. Com sua força máxima à disposição, Fernando Diniz optou pelo experiente jogador na ala, ao lado de Felipe Melo na defesa. Na frente, o ataque titular com Arias, Keno e Cano para largar bem na competição.

Do outro lado estava o técnico Nunes, que se destacou no Athletico-PR, passou por Corinthians e Grêmio, e que vem se dando bem no Peru, onde só tem uma derrota em 12 partidas na direção do Sporting Cristal. Antes de a bola rolar, o comandante afirmou que sua equipe estava bastante motivada para estrear com resultado positivo.

O apito inicial mostrou o contrário. O time brasileiro, veloz e envolvente, foi logo ao ataque. Keno mandou para fora e Cano, livre, parou em defesa de Solís com menos de cinco minutos. O artilheiro desperdiçaria nova oportunidade gigante aos 11. Aleksander rolou, Keno cruzou e o argentino errou o carrinho, desviando para fora.

Era um massacre do Fluminense. Em mesmo lance, Ganso e Keno falharam na hora de mandar às redes e o castigo veio, no primeiro ataque do Sporting Cristal, aos 17 minutos, com Grimaldo batendo com classe no canto de Fábio para abrir o marcador e dar alegria a Tiago Nunes. O lance começou com falha de Felipe Melo, que prendeu demais a bola e acabou sofrendo o desarme de Yotún. Os brasileiros ainda cercaram o árbitro após o gol cobrando a falta, mas o lance acabou validado.

O gol acabou desestabilizando os cariocas por alguns minutos. A equipe, então muito bem em campo, começou a não acertar passes e a esbarrar na marcação. Até uma jogada aérea fazer justiça ao placar. Nino cabeceou para milagre de Solís. No rebote, Cano mandou às redes, anotando seu 15º gol em 13 partidas no ano. Desta vez a festa grande foi de Fernando Diniz, com braços erguidos e alguns palavrões de alegria.

Depois de falar com o grupo antes de a bola rolar, Marcelo voltou do intervalo mais uma vez orientando os companheiros. Com Felipe Melo amarelado e um tanto nervoso, Diniz optou por tirar o jogador para evitar uma expulsão que pudesse atrapalhar na busca pela virada.

No primeiro lance, polêmica. Marcelo cobrou falta para a área e no rebote, Cano levou um pisão no pé dentro da área e caiu, pedindo pênalti. Após avaliação do VAR, a arbitragem mandou o jogo seguir. O artilheiro quase virou logo depois, em bomba defendida pelo goleiro.

Em uma linda jogada que começou com passe de trivela de Marcelo para Arias, Cano concluiu passe preciso do colombiano para virar o placar em Lima. O artilheiro foi saudado na mesma intensidade do lateral-esquerdo pelo passe entre os marcadores que quebrou a defesa peruana. Marcelo deixou o gramado aos 19 minutos, cansado

Fora de campo, viu Cano quase ampliar aos 31 após botar o zagueiro para bailar e bater cruzado. Arias e Pirani ainda tentaram o desvio em carrinho, mas não encostaram na bola e o lamento foi geral.

Diniz, já na reta final, tirou suas principais peças de campo de olho na final do Carioca. Após levar 2 a 0 na ida, terá de ganhar do Flamengo por ao menos dois gols no domingo para buscar uma reviravolta na decisão. Mesmo com bastante trocas, viu Vitor Mendes subir alto após cobrança de escanteio de Arias para ampliar. Corozo quase diminuiu no fim. Carimbou a trave e Ávila mandou o rebote para o alto.

FICHA TÉCNICA

SPORTING CRISTAL 1 X 3 FLUMINENSE

SPORTING CRISTAL – Solís; Lora, Chávez, Ignácio e Leonardo Díaz (Corozo); Jesús Castillo, Pretell (Távara), Leandro Sosa (Alarcón) e Yotún; Grimaldo (Hohberg) e Brenner (Ávila). Técnico: Tiago Nunes.

FLUMINENSE – Fábio, Samuel Xavier, Nino, Felipe Melo (Vitor Mendes) e Marcelo (Lima); André, Alexsander e Ganso (Thiago Santos); Arias, Keno (Gabriel Pirani) e Cano (Lelê). Técnico: Fernando Diniz

GOLS – Grimaldo, aos 17, e Cano, aos 34 minutos do primeiro tempo; Cano, aos 13 e Vitor Mendes aos 35 do segundo.

ÁRBITRO – Wilmar Roldán (Colômbia).

CARTÕES AMARELOS – Arias, Felipe Melo, Marcelo e Nino (Fluminense); Ignácio e Jesús Castillo (Sporting Cristal).

CARTÃO VERMELHO – Yotún (Sporting Cristal).

RENDA E PÚBLICO – Não disponíveis.

LOCAL – Estádio Nacional de Lima, no Peru.