O fez a lição de casa e ainda contou com “ajuda” dos rivais para confirmar sua presença na Série A do de 2024. Na última rodada da competição, totalmente disputada nesta quarta-feira, o time de Salvador surpreendeu o -MG ao golear por 4 a 1 na Arena Fonte Nova e respirou aliviado, fora da zona de rebaixamento da tabela.

Os suados três pontos fizeram o Bahia terminar o Brasileirão com 44 pontos, na 16ª colocação, apenas uma acima da zona da degola que o time frequentou na reta final do campeonato. A última vaga da zona de rebaixamento ficou com o Santos – América-MG, Coritiba e Goiás já estavam com lugar garantido na Série B de 2024.

O Atlético, por sua vez, decepcionou a torcida. Dono da melhor defesa do Brasileirão, o time mineiro sofreu três gols pela primeira vez na temporada. Assim, encerra sua participação na terceira posição da tabela, com a classificação assegurada diretamente para a fase de grupos da próxima edição da Copa Libertadores.

Empurrado pela torcida e desesperado para evitar o rebaixamento, o Bahia foi para cima do Atlético-MG nos instantes iniciais da partida. E quase abriu o placar logo no primeiro minuto, com Thaciano. A pressão deu resultado aos 10. O time mineiro falhou feio na saída de bola e o ataque do Bahia não perdoou. Em rápida troca de passe, Cauly recebeu sem marcação dentro da área e mandou para as redes.

O gol incendiou ainda mais a Arena Fonte Nova. Três minutos depois, Kanu quase ampliou o placar, em cabeçada perigosa. O goleiro Everson fez linda defesa para evitar o segundo gol dos anfitriões. Rezende também teve chance de anotar o segundo do Bahia, aos 24, ao bater de longe. Novamente, Everson salvou o Atlético.

O time comandado por Felipão, dono do melhor aproveitamento do segundo turno, estava irreconhecível em campo. Perdia todas as disputas no meio-campo e abdicava de atacar. Numa rara investida, buscou o empate aos 35. Igor Gomes acertou passe preciso para Paulinho, que bateu na saída de Marcos Felipe: 1 a 1.

O empate, contudo, não desanimou o Bahia. Aos 46, Biel bateu firme da entrada da área e mandou rente ao travessão. A pressão aumentou novamente e o time da casa voltou a abrir vantagem no marcador. Aos 51, Luciano Juba completou cruzamento de primeira para as redes e anotou seu primeiro gol com a camisa do Bahia.

Com o placar de 2 a 1 e resultados favoráveis nos jogos envolvendo os rivais diretos, o time de Salvador terminou o primeiro tempo se garantindo temporariamente na primeira divisão

O segundo tempo repetiu o primeiro, com maior iniciativa ofensiva por parte do time da casa. O Bahia continuava dominando o meio-campo, praticamente neutralizando a criação atleticana. Jogadores, como Edenilson e Pavon, mal participavam da partida. Como consequência, Hulk e Paulinho ficavam isolados no ataque.

Incomodado com a situação, Felipão sacou os dois meio-campistas e colocou Pedrinho e Alan Kardec para buscar o empate. O Atlético temia ver os rivais reagindo em seus jogos, o que poderia até tirar o time mineiro do G-4, sem a vaga direta na fase de grupos da próxima edição da Copa Libertadores.

Mas a estratégia foi ofuscada pelo terceiro gol do Bahia. Aos 21, Rezende finalizou de fora da área, mas pegou mal e viu a bola sobrar nos pés de Thaciano que, da marca do pênalti, chutou para as redes. Quando o jogo parecia definido, Ademir decretou a goleada do Bahia com o quarto gol dos anfitriões aos 46 minutos do segundo tempo.

O resultado, aliado a resultados de rivais, salvava o Bahia do rebaixamento. Nos minutos finais, os torcedores estavam mais preocupados com os resultados das partidas envolvendo Vasco e Santos. O time carioca superou o Red Bull Bragantino por 2 a 1 e também se salvou, enquanto o Santos foi batido pelo Fortaleza pelo mesmo placar, na Vila Belmiro, e teve seu primeiro rebaixamento da história decretado nesta noite.

FICHA TÉCNICA:

BAHIA 4 X 1 ATLÉTICO-MG

BAHIA – Marcos Felipe; Kanu, David Duarte e Vitor Hugo; Gilberto, Rezende (Diego Rosa), Acevedo (Mugni, depois Léo Cittadini), Cauly, Luciano Juba; Biel (Ademir) e Thaciano (Cicinho). Técnico: Rogério Ceni.

ATLÉTICO-MG – Everson; Mariano, Igor Rabello, Jemerson e Arana (Alisson); Otávio, Edenilson (Pedrinho), Pavon (Alan Kardec), Igor Gomes (Rubens); Hulk e Paulinho. Técnico: Felipão.

GOLS – Cauly, aos 10, Paulinho, aos 35, e Luciano Juba, aos 51 minutos do primeiro tempo. Thaciano, aos 21, e Ademir, aos 46 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS – Rubens, Vitor Hugo, Paulinho.

ÁRBITRO – Ramon Abatti Abel (SC).

RENDA – R$ 838.345,00.

PÚBLICO – 27.746 pagantes (28.019 no total).

LOCAL – Arena Fonte Nova, em Salvador (BA).

Saiba Mais