A população de está economizando e a contenção de gastos deve impactar até o presente de Dia das Mães. Pesquisa da Fecomércio/MS mostra redução de 7% no volume de vendas alusivas à data, que deve R$ 478,82 milhões no comércio de Mato Grosso do Sul.

A pesquisa apontou que 71,16% dos entrevistados pretendem presentear e 78,28% farão comemorações. O valor médio do presente será de R$ 211,79 e das comemorações, de R$ 219,22.

(29%), perfumes e cosméticos (26%) e calçados (18%), são os principais presentes escolhidos pelos consumidores. A maioria deve comprar em lojas físicas (87,26%) e 39,97% deve atender aos pedidos das mães na hora de escolher.

“Os números mostram que os consumidores estão mais comedidos, ficando uma movimentação um pouco menor que ano passado, devido à previsão dos gastos médios com presentes e comemorações menores, considerando o valor real. Já o percentual de pessoas que irão comprar presentes ficou um pouco maior e isso é positivo”, explica a economista do IPF-MS, Regiane Dedé de Oliveira.

Movimento em supermercados

Dados da pesquisa revelam ainda que a data deve proporcionar um movimento importante em supermercados, considerando que 80,85% dos entrevistados que irão comemorar informaram que vão comprar ingredientes para o preparo da refeição em casa, celebrando em família.

O analista-técnico do /MS, Paulo Maciel, enfatiza que o Dia das Mães é uma das principais datas para impulsionar o comércio local, e os empreendedores podem aproveitar o momento também para conquistar novos clientes.

“O Dia das Mães sem dúvida é uma das datas mais importantes para o comércio de uma forma geral. Essa importância está intimamente relacionada ao apelo emocional que a data traz, já que é uma oportunidade das pessoas expressarem o seu o reconhecimento pelas suas mães E isso foi refletido nos resultados da pesquisa de intenção de consumo”, pontua.

A pesquisa ouviu 1994 pessoas entre os dias 2 a 8 de abril nas cidades de Campo Grande, Dourados, Ponta Porã, , Bonito, Corumbá/ e . A margem de erro da pesquisa é de 5% a 6% percentuais, para mais ou para menos. O intervalo de confiança é de 95%.