A Serasa divulgou nesta terça-feira, 25, dados que mostram um salto nas negociações de dívidas em suas plataformas na primeira semana do Desenrola Brasil, o programa lançado pelo governo para retirar brasileiros que estão com nome negativado em cadastros de crédito.

No total, 231,9 mil negociações com bancos foram intermediadas pelo Serasa Limpa Nome desde a segunda-feira da semana passada, dia 17, quando começaram a valer as duas primeiras etapas do programa, até o último domingo (23). Na comparação com a terceira semana cheia de junho – de 19 a 25 -, esse número de negociações representa um crescimento de 62%. Frente à semana imediatamente anterior de julho – de 10 a 16 -, a alta nas negociações foi de 47% no aplicativo e site da Serasa, que fazem a conexão entre empresas e pessoas que buscam negociar dívidas.

O volume de descontos concedidos nessas negociações com bancos chegou a R$ 974 milhões na primeira semana do Desenrola, quase o dobro (alta de 97%) da cifra semanal apurada um mês antes. Quando se incluem dívidas negociadas com outros credores, como prestadores de serviços e varejistas, que se anteciparam ao início, previsto para setembro, da terceira etapa do programa, os descontos concedidos sobem para R$ 2,65 bilhões, enquanto o total de dívidas negociadas passa de 1 milhão.

A Serasa informa ainda que 1,54 milhão de dívidas de até R$ 100 com bancos foram desnegativadas de seu cadastro na última semana As duas primeiras etapas do Desenrola preveem a desnegativação de dívidas de até R$ 100 e a renegociação de dívidas bancárias, sem limite de valor, por pessoas com renda de até R$ 20 mil. A estimativa do governo é beneficiar mais de 30 milhões de pessoas com dívidas bancárias.

Nesta terça, durante apresentação à imprensa, o diretor da Serasa, Matheus Moura, disse que o forte movimento de negociações entre pessoas e empresas reforça a tendência de redução da inadimplência após os sinais positivos de junho. No mês passado, o número de inadimplentes recuou para 71,45 milhões de brasileiros, depois de bater no pico de 71,9 milhões em maio. “A vontade é dos dois lados”, comentou Moura.

As principais dívidas em atraso são com bancos e cartões de crédito (31%), contas de luz e de água (22,1%), financeiras (15,2%) e varejo (11,4%), conforme os números da Serasa.