Há oito anos, Monteiro Zatula, de 36 anos, mora em Campo Grande, onde trabalha e cursa faculdade de Biomedicina. Natural da Angola, ele é um dos 3.506 estrangeiros que conseguiram um emprego formal em Mato Grosso do Sul, entre janeiro e julho deste ano.

Os dados são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) e mostram que, nos primeiros sete meses do ano, o saldo de contratações de estrangeiros em Mato Grosso do Sul é de 863 vagas. O setor de Serviços é onde os estrangeiros mais atuam, com saldo de 265 empregos este ano.

Já o segmento industrial é o segundo setor que mais emprega estrangeiros no Estado, com saldo de 255 vagas em 2023. Na sequência, vêm comércio (saldo de 164), agropecuária (saldo de 97) e construção civil (saldo de 82 vagas).

Estrangeiro enfrenta preconceito e rotatividade de emprego

Monteiro Zatula saiu da Angola e veio para o Brasil há dez anos e já morou em vários estados até decidir se instalar em Campo Grande. Depois de passar pelo Rio de Janeiro, Fortaleza e Espírito Santo, ele conta que escolheu a Capital Morena pela segurança e tranquilidade.

Mas, para ele, morar em Campo Grande tem seu lado negativo. “Eu sofro muito preconceito aqui, muito mais do que nos outros estados. Aqui é seguro, mas é difícil de trabalhar, as pessoas acham que não sei falar em inglês ou que não sou capaz de desempenhar algumas funções”, diz.

No Brasil, ele já desempenhou diversas funções, entre repositor de mercadorias, encanador, eletricista, servente e administrativo. Recentemente, foi admitido em um escritório e trabalha para custear as despesas rotineiras e da faculdade de Biomedicina.

Zatula conta que é “mais fácil” estudar no Brasil do que na Angola, devido ao custo do estudo e à qualidade do ensino. Ele também adianta que deve voltar para seu país nos próximos anos, quando a faculdade terminar.

Cenário da contratação de estrangeiros em MS

Os dados do Caged, que mostram o mercado de trabalho formal a partir de 2020, mostram que naquele ano Mato Grosso do Sul teve saldo de 1.043 estrangeiros contratados. No ano da pandemia de Covid-19, a indústria era a principal fonte de contratação dessas pessoas, terminando o ano com saldo de 756, enquanto serviços teve saldo de 149.

Em 2021, Mao Grosso do Sul teve movimentação intensa na contratação de estrangeiros, porém o ano terminou com saldo de 298 vagas. O cenário de setores mudou bastante, com saldo de 142 no comércio e 139 no setor de serviços. Ficando a indústria com saldo de apenas 5 vagas de estrangeiros.

Com a pandemia controlada em 2022, as contratações de estrangeiros terminaram o ano com saldo de 1.049 vagas em Mato Grosso do Sul. A indústria retomou as contratações, com saldo de 299 vagas e serviços com 297 vagas.

Atendimentos na Funsat

Em sete meses deste ano, 38 estrangeiros conseguiram um emprego por meio da Funsat (Fundação Social do Trabalho de Campo Grande), enquanto em todo o ano passado eram 24 pessoas estrangeiras empregadas.

O número de atendimentos feito pela Funsat a estrangeiros também aumentou esse ano, sendo 282 atendidos em sete meses de 2023, contra 179 em doze meses de 2022.

Mas o número de encaminhamentos caiu, que é a quantidade de vagas para as quais eles são indicados. Foram 624 em 2022 e 561 até agosto de 2023.