97,2% das propriedades rurais de Mato Grosso do Sul têm cadastro ambiental rural

São cerca de 78 mil propriedades rurais inseridas no cadastro ambiental do Estado
| 08/06/2022
- 07:44
cadastro ambiental
(Foto: Divulgação/Imasul)

Mais de 78 mil propriedades rurais de estão inseridas no CAR (Cadastro Ambiental Rural). Segundo divulgado pela Imasul (Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), nesta quarta-feira (8), o Estado entra em um novo patamar de regularização de terras do ponto de vista ambiental.

A partir de julho será implantada a análise finalizada do cadastro ambiental que vai agilizar os processos. O balanço aponta que atualmente 78.206 propriedades cadastradas o que representa 97,24% de todo território do Estado. "Isso quer dizer que o sistema vai analisar automaticamente todos os cadastros ambientais rurais aqui do Mato Grosso do Sul", explicou o presidente do Imasul, André Borges.

A modernização do monitoramento é fornecida por um software que o Ministério da Agricultura disponibiliza aos estados. Ele permite uma análise dinamizada que vai indicar se a propriedade está dentro das normas ambientais exigidas ou se precisa fazer de áreas permanentes ou da reserva legal.

Com essa análise dinamizada já é possível ao proprietário aderir ao PRA (Programa de Recuperação Ambiental), quer seja apresentando projetos para recuperar as áreas desmatadas ou mesmo oferecendo remanescentes para serem adquiridos por aqueles proprietários que não têm espaço disponível em seus imóveis ou preferem optar por essa modalidade de compensação ambiental.

A análise dinamizada não atesta a regularidade do imóvel, conforme explicou o diretor do Imasul. Serve apenas para possibilitar ao proprietário aderir ao PRA. A comprovação de que todas as informações fornecidas estão corretas e a emissão da certificação pelo órgão ambiental estadual só virá após a análise técnica do CAR. Além disso, por mediação do Ministério, o sistema financeiro não vai exigir a comprovação de regularidade do imóvel para liberar financiamentos agrícolas, como se chegou a cogitar. Basta que a propriedade esteja cadastrada no CAR.

O novo sistema trará muito mais celeridade na análise desses cadastros na análise das autorizações. "Após está análise nós conseguiremos apurar o que tem de passivo ambiental no Estado e aí iniciar os processos de recuperação", finalizou.

Veja também

Custos com a tonelada saltaram de R$ 1.800 para R$ 5.400 em apenas quatro meses, onerando a vida dos produtores rurais

Últimas notícias