Não é novidade para ninguém que a gasolina está cada vez mais cara em Mato Grosso do Sul. Quem costuma abastecer o carro ou a moto percebe o aumento nos preços dos combustíveis a cada semana. Uma pesquisa da ANP (Agência Nacional do Petróleo) apontou que o combustível chegou a custar até R$ 6,43 em cidades do Estado. O valor é bem diferente do início do ano, onde a gasolina poderia ser encontrada pelo preço mínimo de R$ 4,49. 

Os aumentos seguidos no preço da gasolina têm assustado os consumidores no Estado. Em Mato Grosso do Sul, a gasolina comum pode chegar até a R$ 6,43 e o Estado ocupa o 16º lugar do combustível mais caro do país. 

Essa última pesquisa foi realizada após o reajuste da Petrobras de 3,3% nas refinarias. O levantamento da ANP foi realizado entre os dias 15 e 21 de agosto nos postos de combustíveis de MS. 

No Estado, o maior preço da gasolina comum encontrado foi de R$ 6,43 em Corumbá. A pesquisa foi realizada, ainda, em Três Lagoas, com máxima de R$ 6,38, em Dourados, com gasolina a até R$ 6,14 e em Campo Grande, onde o combustível pode ser encontrado com preço de até R$ 6,09.

Os números são bem diferentes do registrado nos postos no início do ano — quando os consumidores já reclamavam da gasolina cara. Em janeiro, o preço médio da gasolina em MS era de R$ 4,73. Contudo, alguns postos ofereciam o combustível por preços menores, chegando a R$ 4,49. Já os postos mais caros, geralmente no interior do Estado, ofereciam a gasolina por até R$ 4,99. 

Se compararmos a gasolina mais barata em janeiro com o preço máximo em agosto, a diferença é expressiva. A alta acumulada ao longo dos meses de 2021 chega a 43% em Mato Grosso do Sul.

Combustível pesou na inflação

Além da alta nas contas de energia elétrica e no preço dos alimentos, o custo dos combustíveis também pesou na inflação no mês de julho em Campo Grande. O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) mostrou que Campo Grande teve uma inflação de 0,79% no mês de julho. 

Conforme dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), os principais fatores que pesaram na inflação na Capital foram: moradia, alimentação e transporte, devido ao impacto do preço da gasolina. O transporte apresentou alta de 1,17% em julho.

Confira o ranking da gasolina mais cara nos estados

  PREÇO MÁXIMO PREÇO MÉDIO PREÇO MÍNIMO
RIO GRANDE DO SUL 7,189 6,149 5,729
ACRE 7,13 6,45 6,19
RIO DE JANEIRO 7,059 6,485 5,899
SERGIPE 6,789 6,092 5,789
MINAS GERAIS 6,759 6,185 5,899
PARA 6,699 6,035 5,58
GOIAS 6,679 6,274 5,87
PIAUÍ 6,599 6,307 5,085
BAHIA 6,579 6,06 5,81
PARANA 6,55 5,738 5,229
SÃO PAULO 6,549 5,626 4,99
MATO GROSSO 6,51 5,948 5,629
ALAGOAS 6,499 6,042 5,87
RONDÔNIA 6,49 6,064 5,85
ESPIRITO SANTO 6,44 6,041 5,799
MATO GROSSO DO SUL 6,43 5,956 5,769
DISTRITO FEDERAL 6,399 6,357 6,299
PERNAMBUCO 6,399 5,907 5,673
CEARA 6,39 5,935 5,59
TOCANTINS 6,299 6,096 5,75
RIO GRANDE DO NORTE 6,29 6,108 5,98
AMAZONAS 6,2 5,798 5,759
MARANHÃO 6,199 5,905 5,749
SANTA CATARINA 6,099 5,74 5,399
PARAÍBA 6,089 5,791 5,599
RORAIMA 5,72 5,637 5,58
AMAPÁ 5,35 5,143 5,11