Fibria e Eldorado anunciam expansão até 2017

 

Três Lagoas é a capital da celulose de Mato Grosso do Sul. As duas empresas da cidade, Fibria e Eldorado, já anunciaram uma ampliação da produção até 2017. Mas, para o diretor executivo da Reflore/MS, Benedito Mário, ainda são necessários alguns avanços, principalmente, na infraestrutura.

De acordo com o Benedito Mário, o Estado tem cerca de 920 mil hectares de florestas plantadas neste ano. Na última Pevs (Pesquisa da Extração Vegetal e da Silvicultura) publicada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), Mato Grosso do Sul tinha, em 2014, 886,3 mil hectares plantados, o que representava 12,75% do país, de 6,9 milhões de hectares.

A espécie produzida no Estado é utilizada como matéria-prima, principalmente, para a produção de celulose, mas também lenha, carvão vegetal e outros fins.

Infraestrutura é principal desafio para ampliar produção de celulose, segundo Reflore/MSCom aumento da demanda mundial, a produção de celulose também vai precisar se expandir. As duas empresas que atuam em Mato Grosso do Sul já confirmaram que vão aumentar a produção até 2017. A Eldorado, que opera com opera com capacidade de 1,7 milhão de toneladas por ano, espera alavancar a produção para 4,2 milhões de toneladas de celulose por ano. A Fibria estima ampliar a capacidade de produção fábrica de 1,75 milhão para 3,05 milhões de toneladas de celulose/ano.

Para Benedito Mário, a infraestrutura de Três Lagoas precisa ser melhorada para receber essa ampliação. Nossa legislação ambiental é uma das melhores do país. Nós também temos algumas vantagens, como situação fundiária, propriedades grandes, preço de terra compatível com a atividade, topografia boa, entre outras. Mas, ainda é preciso muitas mudanças. Hoje o nosso desafio é essa infraestrutura. É preciso melhorar a logística, ter rodovias vicinais, ferrovias, se não fica difícil de receber essas grandes empresas”, afirma.

A área total de florestas plantadas até março na fábrica da Eldorado foi de 217 mil hectares, e na Fibria 224,7 mil hectares.

De acordo com o diretor da Reflore/MS, cada empresa emprega da silvicultura a fábrica em torno de 4 mil funcionários. “Precisa alterar toda a cadeia no município. Não adianta ter a escola, o prédio, é preciso ter bons professores. Também ter hospital, escola, lazer, saneamento básico, são coisas fundamentais”, destaca.

Indicador

A Eldorado Brasil registrou um EBITDA (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 2,1 bilhões nos últimos doze meses, com margem de 62%. “Este desempenho recorde em sua trajetória comprova a estratégia bem sucedida do modelo de competividade adotado pela companhia”, afirma assessoria.

A empresa encerrou o primeiro trimestre de 2016 com EBITDA de R$ 483 milhões, com margem EBITDA de 65%. Esse resultado foi 63% superior ao mesmo período em 2015.

O Ebitda da Fibria alcançou, em mesmo período, R$ 1,3 bilhão, representando um crescimento de 25% sobre o valor registrado no primeiro trimestre de 2015. No acumulado dos últimos 12 meses, a soma ficou em R$ 5,6 bilhões. Ainda segundo a empresa, a margem Ebitda ficou em 52% neste primeiro trimestre, dois pontos percentuais acima do verificado em igual período do ano passado.

Infraestrutura é principal desafio para ampliar produção de celulose, segundo Reflore/MSNovas tecnologias

A Eldorado implantou um aplicativo de mobilidade de baldeio da INFLOR neste ano. O caminhoneiro passa a informar diretamente no celular em qual mesa a madeira será descarregada para ser picada em cavacos.

Para o coordenador Pátio de Madeira da Eldorado Brasil, Alécio Ferreira Gonçalves, o projeto de automação dos caminhões de baldeio é um passo importante no processo de movimentação interna de madeira. “Trata-se de um aplicativo via smartphone, que agiliza a chegada das informações de consumo de estoque ao SGF. É uma ferramenta de fácil utilização até mesmo para o profissional sem intimidade com este tipo de tecnologia”, explica.