Cotidiano / Economia

Eurogrupo deve fazer primeira avaliação de propostas da Grécia nesta sexta-feira

A avaliação levará em consideração as propostas de reformas apresentadas nesta quinta-feira pela Grécia

Clayton Neves Publicado em 10/07/2015, às 12h30

None
grecia-protestos-conflito-policia-economia-20121107-03-original.jpeg

A avaliação levará em consideração as propostas de reformas apresentadas nesta quinta-feira pela Grécia

Uma primeira avaliação oficial da zona do euro sobre se as propostas de reformas econômicas da Grécia preenchem os requisitos para a liberação de um terceiro pacote de resgate financeiro poderá sair hoje, disse um porta-voz de Jeroen Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, o grupo de ministros de Finanças da zona do euro.

Segundo o porta-voz, a avaliação levará em consideração as propostas de reformas apresentadas ontem pela Grécia. No entanto, as propostas ainda precisam ser discutidas pelas instituições credoras (o Fundo Monetário Internacional, o Banco Central Europeu e a União Europeia) e aprovadas pelo ministros de finanças da zona do euro, que podem exigir critérios mais rigorosos para ter de evitar tomar medidas mais agressivas para reduzir a dívida da Grécia.

Depois, o próprio Dijsselbloem disse que as últimas propostas compõem “um extenso documento”, mas a qualidade de suas intenções ainda precisa ser determinada. “Nós temos que ver as propostas vão fortalecer a estrutura da economia”, completou. “De qualquer jeito, podemos tomar decisões de muito longo alcance no sábado. Então temos de fazer isso com muito cuidado”, disse.

Os países da zona do euro devem aprovar ou não o pacote de resgate financeiro para a Grécia ao longo do fim de semana. De acordo com uma cópia do plano obtida pelo Wall Street Journal, as propostas incluem elevações de impostos e simplificações do sistema tributário da Grécia que deverão gerar receitas anuais equivalentes a 1% do PIB; o sistema de pensões será reformado de modo a gerar uma redução de gastos públicos de 1% do PIB em 2016.

As duas metas estão em linha com as exigências feitas pelos credores – e rejeitadas pelo eleitorado grego no plebiscito do último domingo.

Jornal Midiamax