Uma das características importantes para a segurança no trânsito é a qualidade da iluminação proporcionada pelos faróis dos veículos. No entanto, a manutenção dos faróis é constantemente deixada de lado na hora de fazer a revisão e restauração das peças automotivas. O Jornal Midiamax procurou de para saber detalhes de valores e entender o serviço de restauração completa da peça.

A manutenção dos faróis do carro, para chegar o mais próximo possível da condição de novos, aumenta a segurança na e a dos outros condutores. Além disso, o cuidado com a peça também melhora a aparência geral do veículo, o que aumenta seu valor de mercado e proporciona uma aparência mais bonita e rejuvenescida.

Manutenção do farol é importante para a segurança no trânsito. (Nathalia Alcântara, Midiamax)

Farol envelhecido gera multa?

Segundo o Detran-MS, farol envelhecido ou opaco não é considerado como infração de trânsito e, por isso, não gera multa, apesar de não ser recomendado. Ainda segundo o departamento de trânsito, existem dois casos onde problemas no farol podem gerar multas: conduzir com lâmpadas queimadas e farol desregulado.

A infração por andar com farol queimado infringe o inciso XXII do art. 230 do CTB (Código de Trânsito Brasileiro), e as penalidades são:

  • Multa média de R$ 130,16;
  • 4 pontos somados à CNH.

Já andar com o farol desregulado ou com o facho de luz alta é considerado como infração grave, e as penalidades são maiores:

  • Multa média de R$ 195,23;
  • Medida administrativa e retenção do veículo para regularização;
  • 5 pontos somados à CNH.

Ainda de acordo com o Detran-MS, em 2023, foram aplicadas um total de 391 multas relacionadas a problemas com farol em Campo Grande. Desse número, 387 foram por lâmpadas queimadas (98,9%) e 4 por farol desregulado (1,1%).

Tipos de polimento

O proprietário da Lava-Tec Estética Automotiva, João Manoel de Andrade, explica que no mercado existem dois tipos de polimento de faróis, um para quem deseja apenas clarear a peça e outro para quem deseja fazer a restauração completa do farol.

“Nós temos duas modalidades de polimento de farol: o convencional, que é para aquelas pessoas que chegam aqui só para dar uma clareada e dar um brilho, e tem o polimento técnico de farol. Neste, se utilizam técnicas específicas para restauração completa, onde além de remover amarelamentos e dar brilho, ele também remove rachaduras e microfissuras, e depois faz o envernizamento da peça”, explica.

João também explica o que causa as rachaduras no farol, e ressalta a importância de envernizar a peça após o polimento. “O que causa rachaduras é a falta de proteção no farol, e o que protege é o verniz. Fazer esse procedimento é recomendado, pois ele aumenta em cerca de 60% o brilho do farol, dando um aspecto de peça nova mesmo”, ressalta.

Farol automotivo. (Nathalia Alcântara, Midiamax)

É fundamental que o condutor não negligencie a restauração dos faróis como parte da manutenção regular do veículo. Por meio da restauração, os faróis sempre estarão em bom estado, o que proporciona uma iluminação adequada e maior segurança no trânsito.

Motivos para investir em faróis originais

Ainda segundo João Andrade, as estruturas dos faróis antigas ou “paralelos” são geralmente feitas de plástico acrílico ou polietileno, o que torna propenso a rachaduras e embaçamento após a a luz solar e acúmulo de sujeira.

Hoje em dia, as carcaças de faróis originais são feitas de policarbonato, o mesmo material de para-brisa de avião.

“O farol paralelo que se vende no mercado popular é um material de polietileno, que é um plástico que não filtra os raios UV. Por não filtrar os raios UV, esse plástico amarela muito rápido se não estiver envernizado. Então se você polir um farol de um carro que é paralelo e não envernizar, rapidamente ele fica opaco novamente”, relata.

“Agora se você tiver um farol original de fábrica e fizer um polimento, ele demora mais para amarelar, porque o policarbonato possui um filtro específico contra os raios UV, que provocam as fissuras na peça. Quando a peça é original, às vezes nem precisa fazer o envernizamento”, explica.

Etapas da restauração

  • Avaliação da condição das luzes existentes;
  • Lavagem e descontaminação completa dos alojamentos dos faróis;
  • Utilização de uma lixa especializada para remoção da oxidação e amarelamento;
  • Aplicação de corretivo de pintura transparente de dois e três estágios para remover arranhões e artefatos difusores de luz;
  • Aplicação de verniz especializado para faróis para proteção e evitar oxidação futura.

Preços em Campo Grande

Na Capital, os serviços de restauração de farol podem variar entre R$ 150 e R$ 350, em média. “O polimento simples, apenas para clarear e dar um brilho, custa a partir de 150 reais. Já o polimento técnico, custa a partir de 250 reais, dependendo do carro e do farol. Na média, o serviço fica na faixa de 350 reais”, explica João Andrade.