Apesar do impacto das altas da gasolina e do Gás Natural Veicular (GNV) na prévia do índice oficial da inflação no País (IPCA-15), os preços desses combustíveis nos postos de abastecimento permaneceram praticamente estáveis na semana de 18 a 24 de fevereiro, em relação à semana anterior, segundo levantamento da Agência Nacional do , Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) apura a inflação ocorrida do dia 16 do mês anterior até o dia 15 do mês vigente. Nesta terça-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o IPCA-15 de fevereiro subiu 0,78%, o maior desde abril de 2022. Os combustíveis tiveram alta de 0,77% no período.

De acordo com a ANP, os preços médios da gasolina e diesel ficaram estáveis na semana de 18 a 24 de fevereiro, em R$ 5,76 e R$ 5,97 o litro, respectivamente. O Gás Liquefeito de Petróleo de 13 quilos, ou gás de cozinha, teve ligeira alta, de 0,2%, enquanto o Gás Natural Veicular (GNV) cedeu 0,6%. No IPCA-15, o GNV registrou alta de 3,83%.

Abicom

Os preços da gasolina e do diesel no mercado interno estão abaixo do mercado internacional, de acordo com a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom). A gasolina está sendo comercializada nas refinarias brasileiras 3% abaixo do no Golfo do México, que serve como parâmetro para os importadores. Já o diesel está com preço 11% menor, em média, segundo a Abicom.

Se levadas em conta apenas as refinarias da Petrobras, que correspondem a cerca de 80% do mercado de refino, a gasolina está 4% mais barata do que no mercado internacional e o diesel, 12%, o que poderia levar a aumentos de R$ 0,12 e R$ 0,16, respectivamente, nas refinarias da empresa. O preço da gasolina está há mais de quatro meses sem pela estatal, e o diesel permanece há mais de dois meses com o valor inalterado.

Na Refinaria de Mataripe, na Bahia, a defasagem dos dois combustíveis era de 2% e 6%, respectivamente, na mesma comparação. A Acelen, que controla Mataripe enquanto costura um acordo com a Petrobras, que deve voltar à operação da unidade privatizada em 2021 pelo governo Bolsonaro, pratica o preço de paridade de importação (PPI) e faz reajustes semanais nos seus preços. Na última quarta-feira, a Acelen reduziu o litro da gasolina em R$ 0,02 e o litro do diesel em R$ 0,15.