A queda nos preços de proteínas como as carnes e frango voltou a ajudar a desacelerar o ritmo de aumento dos preços de alimentos na passagem de fevereiro para março. O grupo Alimentação e Bebidas passou de uma alta de 0,39% em fevereiro para uma elevação de 0,20% em março, segundo o Índice Nacional de Preços ao Amplo – 15 (IPCA-15) divulgado nesta sexta-feira, 24, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O grupo Alimentação e Bebidas deu uma contribuição de 0,04 ponto porcentual para a taxa de 0,69% do IPCA-15 deste mês.

A alimentação no domicílio subiu 0,02%. Houve quedas de preços na batata-inglesa (-13,14%), tomate (-6,34%), cebola (-12,13%) e óleo de (-2,47%).

Quanto às proteínas, as carnes ficaram 0,91% mais baratas, com destaque para a redução no contrafilé (-2,04%). O da picanha diminuiu 1,43%.

O preço do frango em pedaços caiu 1,94% e o frango inteiro reduziu 0,02%.

Por outro lado, o ovo de galinha aumentou 8,0% em março.

A alimentação fora do domicílio subiu 0,68%. O lanche teve alta de 1,02%, e a refeição fora de casa aumentou 0,50%.