O preço do GNV ( Veicular) passará a ser monitorado em Mato Grosso do Sul em trabalho conjunto do Procon/MS, MSGÁS e Agems (Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Mato Grosso do Sul).

A decisão foi tomada após reunião realizada na segunda-feira (30), que considerou a oferta de incentivos fiscais do governo estadual, concedidos para fomentar o uso da alternativa mais sustentável que a gasolina. Desde maio, o (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) teve redução de 17% para 12% e veículos que utilizam GNV passaram a ter isenção de IPVA.

Conforme a MSGÁS, atualmente Mato Grosso do Sul produz por mês 30 mil metros cúbicos de GNV. “Nos veículos pesados temos visto no Brasil uma tendência muito grande até para carbono zero. Então ter veículos movidos a gás natural e com os incentivos dados pelo Estado é uma oportunidade de se abrir novos postos [de abastecimento] e aumentar as conversões”, explica o diretor-presidente da empresa, Rui Pires dos Santos.

Variação de preço

Pesquisa do Procon/MS apontou variação de até 10,5% no valor cobrado para abastecer com GNV (gás natural veicular), em Campo Grande. O levantamento, realizado entre os dias 24 e 26 de outubro, apontou que a principal diferença está aplicada no método de pagamento.

Quem opta por abastecer nas modalidades dinheiro e débito encontra valores entre R$ 4,19 e R$ 4,59. A variação, nesse caso, é de 9,55% no metro cúbico do combustível. Já no pagamento com cartão de crédito, os preços variam entre R$ 4,19 e R$ 4,63. Isso representa 10,5%.

Dados do (Departamento Estadual de Trânsito) indicam que a frota estadual hoje possui 4.777 veículos registrados utilizando o GNV todos os dias.

Seguro, o combustível requer a regularização e manutenção do equipamento de conversão. O processo de instalação do kit precisa ser autorizado pelo Detran, sendo o serviço realizado em oficinas credenciadas pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia).