Mesmo com retomada da cobrança de impostos federais sobre o valor da gasolina a partir desta quarta-feira (1º), o preço nas bombas ainda se mantém sem alteração em postos de Campo Grande, pelo menos nas primeiras horas desta manhã. Na região do Centro, o maior valor encontrado por litro foi R$ 4,89, mantendo tendência de preço das últimas semanas.

Não há registro de filas nos postos de combustíveis da cidade pela manhã.

Confira de valores:

  • R$ 4, 82 – Posto Liberdade- Avenida Calógeras
  • R$ 4,89 – Auto posto  Katia Locatelli – Avenida Calógeras com Salgado Filho 
  • R$ 4,86 – Posto Taurus – Costa e Silva com Rua Aristóteles 
  • R$ 4,79 – Rede Bonato – Costa e Silva
  • R$ 4,80 – Posto Rua patrocínio com Joaquim Constantino

Na noite de ontem (28), após anúncio da volta da cobrança dos tributos, filas se formaram em diversos postos da cidade. A reportagem flagrou ao menos três postos lotados na Avenida Consul Assaf Trad.

A retirada dos tributos no governo Bolsonaro próximos às eleições, no intuito de conter alta de preços, foi prorrogada por dois meses pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e se encerrou nesta terça.

Preços ainda não sofreram alterações em Campo Grande (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Gasolina até R$ 0,44 mais cara

Com a reoneração do PIS/, o aumento do litro da gasolina será de R$ 0,47 centavos, de acordo com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad. Ainda de acordo com o Governo, com o anúncio da Petrobras de redução R$ 0,13 no litro, o aumento será de R$ 0,34 por litro.

Os valores podem variar nos postos de gasolina ao consumidor final, devido à liberdade de preços dentro da cadeia distributiva.

Já segundo o Sinpetro (Sindicato do Varejista de Combustíveis, Lubrificantes e Lojas de Conveniência de Mato Grosso do Sul), com o novo aumento, o impacto da gasolina pode chegar a R$ 0,53 em MS. A redução anunciada pela Petrobras deve ser de R$ 0,09 no Estado, segundo os donos de postos.

Com isso, o aumento da gasolina deve ficar em R$ 0,44 e alcançar média de R$ 5,24 o litro nos postos de MS.

Segundo o diretor do Sinpetro, Edson Lazaroto, não é possível especificar uma data para que o novo valor chegue às bombas, mas deve ser logo.

Saiba Mais