A temporada de quentões, pipoca e muita comida a base de milho começa oficialmente nesta quinta-feira (1º). A chegada de junho marca o começo das festas juninas, amadas pelos campo-grandenses e que fazem a alegria dos comerciantes da Capital, que já se preparam para aumento nas vendas.

Após o Dia das Mães ficar abaixo do esperado para a maioria dos lojistas campo-grandenses, a esperança é de que a camiseta xadrez e o chapéu de palha incrementem o faturamento do primeiro semestre do ano. Ao menos, para os consumidores, opções não vão faltar.

O colorido dos vestidos e amarelo dos chapéus já decora boa parte da vitrine gerenciada por Euza Maria de Lacerda. Apesar de voltado para roupas, acessórios de festas juninas começam a ganhar espaço na entrada do local e se tornam um dos carros-chefes do comércio.

“Aqui as vendas de festa junina chegam a superar a de outros produtos durante o mês de junho”, comenta Euza. Com tamanha demanda, ela adianta que o exibido na vitrine é apenas parte da encomenda realizada para suprir a procura dos clientes.

Por lá os preços são variados, desde as decorações e acessórios mais baratos, como uma gravata sendo vendida por R$ 6,00 até camisas e vestidos que alcançam os R$ 100,00.

Roupas temáticas já começam a tomar conta das vitrines. (Foto: Kísie Ainoã, Midiamax)

A poucos metros de distância, outra loja com a vitrine ‘invadida’ por produtos de festa junina – algo que já começa a tomar conta da região central. Valéria Santos é proprietária de uma loja voltada para acessórios e itens de decoração, mas passa a vender roupas no mês de junho.

Apesar da possibilidade de adquirir uma camiseta xadrez ou vestido, o destaque da loja fica com as bandeirolas. “As pessoas compram de monte, desde aquelas que fazem uma festa em casa até igrejas e empresas que fazem grandes eventos”, comentou Valéria.

Apesar disso, estalos e chapéus também são muito procurados pelos clientes de Valéria. Lá, os produtos vão desde estalos vendidos por R$ 1,50, até fantasias que podem ser compradas por cerca de R$ 90,00.

Na loja onde Paulo Henrique trabalha, as expectativas são otimistas. Como uma das principais do segmento e localizada na Afonso Pena, é esperado um aumento de 5% nas vendas em relação ao ano passado.

Vendas devem suprir ‘fraco’ Dia das Mães

Entre conversar com um e outro vendedor, gerente e proprietários, é fácil perceber a decepção com o Dia das Mães deste ano, ao menos na parte comercial. Considerada a segunda melhor data do ano para vender, as expectativas não foram supridas em 2023.

Valéria Santos conta que as vendas deste ano, em relação ao ano passado, caíram cerca de 30%, algo não esperado. O mesmo conta Euza, que percebeu um menor fluxo de clientes na data.

Euza Maria de Lacerda comenta sobre expectativa de vendas. (Foto: Kísie Ainoã, Midiamax)

Para elas, as festas juninas e julinas servirão para ‘salvar’ o semestre, pois o tempo de vendas é maior. “O bom das festas juninas é que não dura apenas um dia, então as vendas duram mais de um mês”, contou Euza.

Vendas de festas juninas seguem altas até julho

Que o campo-grandense gosta de uma festa junina não é novidade. A espera é tanto, que as festividades se prolongam até meados de agosto, com pontuais festas agostinas sendo realizadas pela cidade.

Com esse cenário, o comércio aproveita para estender ao máximo a oferta dos produtos. Em todas as lojas onde a reportagem esteve é unânime o ‘tempo de vida’ do ciclo junino em Campo Grande, que vai até o meio de julho.

“A gente vende até agosto, sempre aparece alguém querendo alguma coisa, mas a venda forte mesmo acontece até a segunda semana de julho”, contou a proprietária Valéria Santos.

Preços praticados em Campo Grande

A reportagem percorreu algumas lojas e levantou os preços praticados nos produtos mais procurados para festas juninas. Confira:

  • Chapéu de palha: de R$ 12,99 até R$ 18,99
  • Chapéu decoração: a partir de R$ 3,99
  • Vestido noiva infantil: de R$ 90,00 até R$ 129,00
  • Vestido adulto: R$ 129,00
  • Camisa xadrez: de R$ 80,00 até R$ 100,00