Preço médio do etanol poderá cair de R$ 4,64 para R$ 4,33 com redução de ICMS

Preço médio foi estimado em uma pesquisa feita em 20 postos de combustíveis e levou em consideração redução de alíquota de ICMS, de 20% para 17%
| 02/07/2022
- 13:36
Preço
Preço médio do etanol pode cair a qualquer momento. Foto: Arquivo Midiamax

O preço médio do etanol poderá começar a cair a qualquer momento em caso de aprovação definitiva do PLP nº 18/2022. Isso porque a alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) do em cairia de 20% para 17% e, neste caso, como o preço médio do litro do etanol registrado esta semana foi de R$ 4,64, o novo valor seria de R$ 4,33 — uma diminuição de R$ 0,31 por litro.

Por enquanto, os preços não caíram e o PLP nº 18/2022 — que só terá validade até 31 de dezembro — passou no Senado e, como sofreu modificações, terá que ser aprovado na Câmara do Deputados. Diante deste cenário, a Biosul (Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul) informou que vai permanecer aguardando a tramitação e conclusão do PLP nº 18/2022, que tem como finalidade a redução de alíquota de ICMS nos combustíveis, energia elétrica, comunicação e transporte.

Na safra 2021/2022, números da Biosul destacam que foram produzidas 41 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, o que resultou em 1,3 milhão de toneladas de açúcar e 2,4 bilhões de litros de etanol, em uma proporção de 75% para o etanol e 25% para o açúcar. Em nível nacional, Mato Grosso do Sul é o 4º maior produtor de cana-de-açúcar, o 5º maior produtor de etanol, o 5º maior produtor de açúcar e o 4º maior exportador de bioeletricidade para o SIN (Sistema Interligado Nacional), que pertence ao Ministério das Minas e Energia.

Quanto ao perfil sucroalcooleiro, a Biosul informou que são 17 unidades em operação e todas são produtoras de etanol hidratado, junto com 11 produtoras de anidro, 10 produtoras de açúcar, 10 produtoras de açúcar VHP (Very High Polarization) ou açúcar bruto, menos úmido e ainda com a camada de mel que cobre o cristal do açúcar, além de 3 produtoras de açúcar cristal e duas produtoras de açúcar refinado. Todas cogeram bioeletricidade e 11 exportam o excedente para a rede nacional de energia elétrica.

Segundo a Biosul, 84% das lavouras de cana-de-açúcar estão concentradas no cone sul do Estado, com 650 mil hectares colhidas e 800 mil hectares plantadas, com expansão sem necessidade de desmatamento.

Veja também

O lançamento do evento em Campo Grande acontece na terça-feira (9)

Últimas notícias