'Testemunhas de Air Fryer': confira dicas para comprar o eletrodoméstico 'do momento' no Dia das Mães

Vendedora, funcionária de assistência técnica de eletrodomésticos e uma consumidora apresentam os pontos positivos e negativos de diversas marcas de Air Fryer
| 06/05/2022
- 14:46
Air Fryer
Air Fryer à venda em uma loja no centro de Campo Grande (Foto: Leonardo de França / Jornal Midiamax)

Seja pela praticidade ou em busca de uma vida mais saudável, a Air Fryer tem ganhado espaço na vida dos sul-mato-grossenses. Pensando nisso — e nas mamães que apreciam o ofício de cozinhar — o Jornal Midiamax conversou com vendedores, clientes e até com o setor de manutenção para guiar leitores na hora comprar o eletrodoméstico de presente. Vem com a gente!

A jornada em busca das dicas da melhor air fryer começou por uma loja de eletrodoméstico no centro da Capital — na —  a vendedora Nádia Mendes, de 39 anos, apresentou os requisitos mais procurados pelos clientes. “O litro, sempre querem a maior, as pequenas ninguém gosta. Geralmente procuram de 4 litros”, disse ela.

Trabalhando há 10 anos como vendedora, ela ressalta que outro ponto observado e crucial na hora da escolha são as grelhas. “Tem cliente que não gosta dos modelos de Air Fryer que vêm com a grelha, por conta da limpeza. Quando tem a grelha e você faz um frango, naturalmente ele acabe soltando gordura. Elas falam que gruda e fica ruim de lavar”, explica.

Air fryer
Modelos de Air fryer (Foto: de França / Jornal Midiamax)

A vendedora também é testemunha das marcas que têm preferência significativa. “Clientes procuram mais a Mondial, de 3,5 litros. Buscando praticidade e saúde. Na loja ela sai a partir de R$ 524,00”, finaliza.

Experiência com três modelos diferentes

A mãe e psicopedagoga Cintia Alessandra Dias, de 48 anos, já chegou a possuir três modelos diferentes — Phillips Wallita, Mondial, Phillips Digital — mas abdicou de alguns tipos após sentir dificuldades na hora de efetuar a higienização.

“Logo que saiu a Phillips Walita foi uma febre! Claro, eu também queria experimentar as vantagens que ela oferecia, gostei muito do design e da maneira rápida e sem gordura que os alimentos eram preparados. Logo comprei a Phillips Digital que também não deixou a desejar, porém ambas eram muito difíceis na hora da limpeza por causa de uma grelha, a qual os alimentos grudavam muito, perdia muito tempo na limpeza”, diz.

Como consequência, ela abdicou de dois modelos em busca de mais praticidade. “Somos em 4 irmãs casadas e uma de minhas irmãs adquiriu a Mondial Grand Family, prometendo não utilizar a grelha e usar o mesmo material interno que não deixava o alimento grudar. Interessei e me apaixonei por ela, indico mesmo! Doei as minhas anteriores e só utilizo a Mondial”, pontua.

Opinião de quem conserta

Ivone Oliveira Silva, de 48 anos, é atendente há 7 anos em um empresa que realiza manutenção de eletrodomésticos em Campo Grande. A primeira dica é em relação ao uso e limpeza, que influencia diretamente na vida útil da peça. “Ter cuidado no manuseio e fazer higienização correta, independente da marca. Conforme você usa, e o jeito que você usa podem danificar o aparelho”, disse ela.

Air fryer
Eletrodoméstico com o compartimento aberto (Foto: Leonardo de França / Jornal Midiamax)

Diante da entrada e saída constante de eletrodomésticos, ela notou uma padrão das marcas que menos aparecem. “O que a gente tem percebido e que as Air Fryers da Mondial têm mais resistência. Aparecem com menos quantidade para conserto. E quando aparecem é problema de fio, limpeza. É o que chamamos de defeito causado, não problemas de peça ou do aparelho em si”, explica.

Na relação beleza e eficiência, ela também determinou outro ponto financeiramente crucial. “Escolha a Air Fryer que vem com botões [analógicos] e não as digitais. As digitais são mais bonitas, mas aquilo é só estética. Se elas estragarem, você vai pagar 80% do preço que você pagou na loja para conseguir arrumar. Porque ela é toda de placa [eletrônica]. A placa original na autorizada você não aguenta comprar. Você tem que pedir de fora, mas fica caro por conta do frete. Acaba saindo caro”, conclui.

Veja também

Apesar da queda, cesta básica na Capital ainda é a 5ª mais cara do país

Últimas notícias