O proprietário do Gol, um mestre de obras de 53 anos, viu o meio de locomoção ao trabalho ser destruído pelas chamas na manhã desta quinta-feira (18), no cruzamento da Avenida com Afonso Pena, no bairro Amambaí, em Campo Grande.

Quando percebeu uma fumaça, o mestre parou o veículo e tentou apagar com um extintor de incêndio, junto ao colega de trabalho, entretanto, o fogo se alastrou rápido e consumiu toda a estrutura do carro.

“Não teve o que fazer, não teve jeito, foi muito rápido. O carro estava bom, saio todo dia do Santo Amaro para a saída de trabalhar, nunca aconteceu nada. Há estou muitos anos com ele [Gol], mas agora é ferro-velho”, lamentou.

A intensidade do fogo saiu do motor para toda a estrutura de ferro e pneus, chegando ao interior e consumindo o volante, bancos e compartimentos de dentro.

carro destruido
Fogo consumiu do motor até a parte interna (Nathalia Alcântara, Midiamax)

O Corpo de chegou a ser acionado, entretanto, o fogo causou perda total. Segundo o sargento Roberto Silva, foram usados 400 litros de água no combate. Ele ainda ressalta que casos de incêndios em veículos tem se tornado comum na cidade considerando as altas temperaturas dos últimos dias.

“O pessoal liga o ar-condicionado, falta manutenção, falta água e o calor extremo pode acarretar ao agravamento das condições do carro. Na maioria dos carros a pane é elétrica”, disse.

Apesar dos danos no cruzamento sentido centro/bairro, apenas uma faixa está interditada enquanto o mestre de obras aguarda o guincho. O trânsito segue normalmente.