Longe da supervisão dos pais, a alimentação saudável de com o retorno das aulas escolares tende a ser desafiadora. A disponibilidade de lanches calóricos e pouco saudáveis na cantina, o salgadinho do coleguinha ou a falta de opções ricas em vitaminas permitem mais facilidade em fugir dos cuidados.

Apesar de parecer um problema simples, a facilidade no acesso a comidas industrializadas na pode desencadear problemas na vida adulta, por exemplo, diabete, hipertensão arterial ou doenças renais.

Durante as , algumas famílias conseguem cuidar mais da alimentação dos filhos, por ser um período mais flexível na rotina. Mas, o que fazer quando voltam as aulas? A nutricionista Brenda Daiane Duranes Alves explica que o acompanhamento dos pais, mesmo distante, deve ser uma prática dentro de casa.

“O período de férias é mais confortável para uma rotina mais saudável, seja com a prática de atividades física ou lazer, seja com qualidade de sono e, claro, a alimentação. Isso é aplicável para toda família, incluindo as crianças. Com retorno para rotina diária, é preciso mais empenho para mesmo diante da carga horária extensa entre trabalho e estudos, ter atenção com a vida saudável”.

A profissional orienta que o ideal é organizar estratégias, como usar o fim de semana para preparar as refeições da semana, aproveitando momento em família, o que é visto como possibilidade de ampliar qualidade de vida da família.

“O acompanhamento por profissional da saúde sempre é indicado, seja acompanhamento médico, quando existir patologias a serem tratadas, ou acompanhamento multiprofissional de forma preventiva. Profissional da educação física, nutricionista, psicólogo, entre outros, são os mais indicados para manter rotina saudável”.

A tentação da cantina

E para driblar as “tentações” alimentícias na rotina escolar? A nutricionista detalha que a escolha de uma instituição de ensino que tenha diretrizes de alimentação saudável, além de seguir as normas municipais do cardápio infantil, pode trazer alívio aos pais e responsáveis.

“Caso não seja possível confiar na boa alimentação escolar, é importante as boas escolhas durante as compras e preparações. O açúcar é um aditivo que vem escondido nos alimentos, e para isso é preciso aprender a ler rótulos e identificar. Um profissional nutricionista pode auxiliar os pais e as crianças nessas informações, mas já deixando uma orientação básica: o menos é mais”.

Ou seja, quando for escolher um produto industrializado, procure comprar aqueles com menor concentração de ingredientes, sendo o mais natural possível.

“Hortaliças são grandes exemplos de lanches saudáveis, e podem compor frutas, sanduíches naturais e outros. Atrelar a alimentos ricos em fibras, como esses já citados, as proteínas. Ovos, carnes magras, leite, são alimentos essenciais para construção muscular e imunidade”.

Evitar aumento de doenças associadas ao excesso de gordura é também prevenido com a exclusão de gordura trans, por exemplo, a gordura industrializada, presente em biscoitos recheados e sorvetes, além da gordura saturada, encontrada em frituras e carnes gordurosas.

“Alimentação rica em fibras e proteínas, com baixo uso de açúcar, é a melhor estratégia para melhoria dos hábitos alimentares”, finaliza.