As buscas por um indígena Kadiwéu, de 54 anos, desaparecido na região do de , a 425 quilômetros de Campo Grande, completam uma semana neste sábado (3).  O CBMMS (Corpo de Militar de Mato Grosso do Sul) anunciou a suspensão das buscas devido às dificuldades de acesso à região. A suspeita é que o homem tenha tido um surto psicótico e fugido da sede de uma propriedade rural sem rumo. Ele seria conhecedor da região e acostumado com a vida no campo. 

De acordo com informações dos bombeiros, o homem desapareceu do local de serviço, por volta das 00h13, do dia 27 de janeiro, da fazenda Genipapo, na região do Nabileque.

Foram feitas buscas na região com recurso humano, cães de busca, drones e cavaleiros, mas nenhum sinal relevante foi encontrado. A única pista até o momento são supostas pegadas em uma área em que só é possível ser acessada por trator e a cavalo, a 6 quilômetros da sede da fazenda.

Os bombeiros definiram a região pantaneira como “inóspita”, o que exigiu muito fisicamente das equipes em geral. Os cães sofreram com as temperaturas elevadas e o forte calor. 

Suspensão das buscas

Equipe do canil do , de Campo Grande, enviou uma equipe para ajudar nas buscas no dia 31 de janeiro. Neste sábado (3), foi informado que a cadela Laika está mancando e aparenta ter queimado os coxins das patas devido ao calorão. Ela deve passar por atendimento médico veterinário para melhor avaliação.  

Uma das hipóteses levantadas é que o homem se escondeu ou ter ido para local mais distante devido ao perfil de adicto em abstinência alcoólica. 

O Corpo de Bombeiros suspendeu as buscas após conversa com o gerente da fazenda, funcionários e indígenas em que ficou entendido que a melhor forma para procurar a vítima seria com a utilização de tropa montada a cavalo e motocicletas.

Um relatório de ocorrência com mais detalhes dos trabalhos deve ser realizado.