Após denunciar importunação sexual de uma passageira visivelmente embriagada, motorista de aplicativo agora enfrenta o tribunal da . “Estou recebendo diversas e piadas, mas se fosse o contrário, sei que eu já estaria preso e com todo mundo me condenando”, comenta o trabalhador de 37 anos. 

Nas redes sociais, o assunto dividiu opiniões e motivou diversos comentários criminosos, carregados de machismo e homofobia. Nos relatos, inapropriados até para serem citados na reportagem, internautas associam a recusa às investidas da mulher embriagada à sexualidade e até à falta de coragem do motorista. 

“Isso é um termômetro para a gente ver como a população é hipócrita. Vivem criticando casos de assédio, mas me criticam só porque sou homem. É preciso saber que a lei é para todos e assim como eu tenho mãe e irmã, não desejo para outras mulheres o que não quero para elas”, comenta. 

Apesar de muitas considerações criminosas, muitos internautas também saíram na defesa do rapaz. “Se fosse uma motorista e um homem fazendo o mesmo, o patrulhamento da justiça da internet estaria em alvoroço pedindo a prisão da pessoa”, comentou uma. “E se fosse ao contrário? Ele já estaria preso. Respeito cabe em qualquer lugar”, disse outra.

Assédio e filho no carro

Segundo o trabalhador, a corrida aconteceu na noite de domingo (19). Logo após embarcar a passageira em um bar na região do Centro, o motorista conta que passou a ser incomodado pela mulher.

“Ela estava muito embriagada, falava coisas sem nexo, me puxava pelo braço, passava a mão, dava respirações ofegantes perto de mim e eu sempre mantendo o profissionalismo e chamando ela de senhora. Fui muito cauteloso”, esclarece.

Após os primeiros minutos da corrida, o trabalhador conta que fez uma parada em um condomínio na Avenida Ceará. Lá, uma criança que seria filho da suspeita embarcou, mesmo assim, a mulher continuou a assediá-lo na frente do menino.

“Até o filho dizia para ela parar, mas ela falava do marido que tinha morrido, dizia palavrões. Foi algo bem constrangedor”, relembra. 

Segundo o motorista, que trabalha há cerca de 1 ano com plataformas de aplicativo, essa foi a primeira vez que viveu algo parecido.

Boletim de ocorrência foi registrado e agora ele aguarda a Uber encaminhar as gravações captadas pelo aplicativo. “Quero levar na para comprovar tudo o que eu disse”, finaliza o rapaz. 

A empresa Uber informou que não foi possível verificar o caso relatado porque, até o momento, não foram fornecidas à empresa informações suficientes para checar se a ocorrência mencionada se deu em viagem com o aplicativo da Uber.

O caso 

Nesta segunda-feira (20), motorista de aplicativo denunciou uma passageira por importunação sexual em . O caso teria ocorrido durante uma corrida na noite de domingo (19) e trechos foram filmados pela plataforma do aplicativo.

Conforme relato do motorista, ele aceitou a corrida da suspeita e a buscou no Centro da cidade. Então, a mulher teria começado a “acariciar” o pescoço da vítima, dizendo que “estava gostando da corrida”.

Depois, ainda puxou o motorista pela camiseta e disse que o marido tinha morrido recentemente, que ela estava carente. Ao fim da corrida, ela não queria descer do carro.

Constrangido, o motorista acionou o recurso do aplicativo para filmar o veículo. As imagens são disponibilizadas apenas para a polícia, quando solicitado. O caso foi registrado como importunação sexual na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro. (Alterada para acréscimo de informações às 20h24 de 21/03/23)

Saiba Mais