A Prefeitura Municipal de Campo Grande elabora um plano para solucionar definitivamente o problema da bacia de contenção fluvial do bairro Água Limpa Park, que transbordou no início de janeiro, e destruiu uma casa. O “piscinão” está localizado na esquina das ruas Marluce e Formosa.

Em nota solicitada pelo Midiamax sobre a situação da bacia de contenção, o executivo municipal afirmou que os serviços de limpeza foram executados pela Sisep (Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos), mas a solução total depende de uma obra de engenharia que está na fase de projeto.

Os moradores, desde os que se mudaram há pouco tempo até os mais antigos, afirmam que o piscinão precisa de manutenção e temem que situações que aconteceram no início do mês se repitam.

“Isso [a bacia de contenção] é um dos grandes problemas a ser tratados. Não só para prejuízos financeiros, mas prejuízo de vidas humanas”, teme o gerente regional de negócios, Cleones Cavalcante, de 52 anos, que mora há oito anos e meio no bairro.

Além disso, quem mora na região cobra a responsabilização e providências sobre a limpeza do local. A empresária Mara Martins, de 42 anos, mora há dois anos no Água Limpa Park e acredita que é um problema que poderia ter sido solucionado antes. 

“A gente vê que é uma tragédia que poderia ter sido evitada, sim. Comoveu o bairro todo, quando a gente viu aquilo ficamos apavorados”, ela relembra. 

Moradores acreditam em valorização

Mesmo diante do problema com a bacia de contenção, os moradores acreditam no potencial do bairro e na valorização dos imóveis. O ponto de vista faz um contraste com o relato de outras pessoas que moram na região e também foram ouvidas pela reportagem.

Entre os pontos ressaltados de quem aposta no Água Limpa Park, está a distância aproximada de 6 km do centro, as casas de fino acabamento que se espalham pela paisagem, uma região tranquila e de ruas largas.

Andando pelo bairro é possível ver imóveis novos em construção, o que se soma na visão dos residentes como fatores positivos para investimento. 

“O bairro passa por uma valorização. Temos problemas locais muito pontuais, como é o caso dessa região do buracão, mas nada diferente de outros bairros”, pontua Cleones Cavalcante.

O relato é semelhante ao de outros moradores, que gostam de morar no local e até indicaram para amigos, como foi o caso da bancária Márcia Carloto, de 31 anos, que se mudou há cinco anos para o Água Limpa Park. 

“É um bairro novo, bem localizado, bairro alto, tem infraestrutura boa, com imóveis bons e vizinhos são unidos”, elogia. 

Quem vive no bairro cobra o poder público

A bancária também ressalta que o poder público deve tomar providências sobre o problema de transbordamento da bacia de contenção fluvial. Porém, na visão dela, a situação não afeta a ponto de desvalorizar os imóveis. 

Márcia também acredita que é preciso planejamento na hora de comprar um terreno para evitar dores de cabeça no futuro. “São muitas obras de construção, não acredito que o bairro está desvalorizado”, afirma. 

A empresária Mara Martins relembra que há dois anos, após muita pesquisa, chegou ao bairro Água Limpa Park, pouco antes do boom imobiliário que elevou os preços das residências durante a pandemia diante do aumento da procura e custos da construção.

O cenário fez com que a casa que comprou na época subisse em cerca de R$ 300 mil no valor de avaliação depois de melhorias e da alta de preços, ela diz. “O bairro é bem sossegado, as casas são boas e os vizinhos são tranquilos”, elogia. 

Mara avalia que os imóveis são vendidos com facilidade e até menciona que perto de onde mora duas residências tinham compradores antes mesmo da finalização das obras.

“Como todo bairro tem algumas coisas para melhorar, sempre tem, mas essa desvalorização a gente não vê aqui. A gente só vê as casas com padrões cada vez maiores”, ela avalia

O Midiamax tentou com a Prefeitura de Campo Grande dados sobre a quantidade de alvarás de construção e habite-se emitidos para Água Limpa Park nos últimos anos, mas o município informou “que o sistema municipal não mostra a quantidade de Alvarás de Construção ou Cartas de Habite-se emitidos especificamente por bairros, apenas por ano”.

Associação

Os moradores entrevistados nesta reportagem ressaltam que o bairro Água Limpa Park não possui nenhum presidente de bairro, mas que eles têm se mobilizado para criar uma associação e eleger um representante.

“A gente procura ter um presidente para olhar o bairro e solucionar esse problemas da bacia de contenção e de outros assuntos”, explica Mara Martins.