A Câmara de Deputados aprovou, na última quarta-feira (24), a nº 1.172/2023, que prevê reajuste do salário mínimo de R$ 1.302,00 para R$ 1.320,00, o que representa um ganho de R$ 18. 

O reajuste está em vigor desde 1º de maio, mas precisava ser aprovado para não perder validade até o fim do ano. Em 2022, o salário mínimo era de R$ 1.212,00, com o reajuste para R$ 1.320,00, representando alta de 8,91%.

Com os R$ 18 garantidos, o que dá para comprar em com menos de R$ 20? O Midiamax foi às ruas ouvir a população e o que acham do valor. 

A diarista Marina Rodrigues Corrêa, de 46 anos, afirma que não dá para fazer quase nada com R$ 18 e que tem que colocar na ponta do lápis para avaliar o que compensa ou não. 

“Esse reajuste é praticamente pagar para trabalhar, não dá para fazer nada com R$ 18. É quase a passagem de ônibus, se for trazer outra pessoa para o centro não vai dar para ir e voltar”, ela calcula. 

Marina conta que R$ 18 não paga nem o passe de ônibus. (Alicce Rodrigues, Midiamax)

A conta de Marina está correta. A passagem do transporte coletivo em Campo Grande está em R$ 4,65, ou seja, quatro passes saem ao custo de R$ 18,60. 

A tatuadora Sarah Bartiê, de 31 anos, diz que com R$ 18 mal consegue comprar uma marmita no centro da cidade. 

“É pouco, mas faz uma diferencinha no final das contas. Dá para gastar pouco com a alimentação, mas se for para um quase não dá para o passe de ônibus”, ela observa.

As colegas Eleonora Amanda Ferreira de Souza, de 22 anos, que trabalha como atendente de balcão, e Andreia Salazeira, de 40 anos, acharam baixo o valor do reajuste. 

“Se for comprar dois salgados no centro já acabou o dinheiro”, disse Eleonora. 

“Tudo está muito caro ultimamente, o salário mínimo que ganha só dá para se viver, não é uma grande mudança”, opinou Andreia. 

Sarah comenta sobre reajuste de R$ 18 no salário (Alicce Rodrigues, Midiamax)

O motoentregador Alceu Rodrigues, de 37 anos, afirmou que o aumento será pouco significativo e é difícil pensar em fazer com R$ 18 a mais no salário. 

“Pode ser que faça diferença nas corridas, mas também não é tão significativo. Poderia ser uma mudança mais considerável”, ele aponta. 

Já a autônoma Aline da Silva, de 38 anos, disse que mal dá para se viver com o salário mínimo e muito menos pensar em lazer.

“A gente tira da mistura para comprar verdura e tira da verdura para comprar carne”, ela lamenta. 

Isenção do Imposto de Renda

O texto da Medida Provisória aprovada na Câmara de Deputados também amplia a faixa de isenção do imposto de renda, que sobe de R$ 1.903 para R$ 2.640,00, ou seja, para dois salários mínimos. 

Além disso, também trata de uma política de valorização do salário mínimo a partir de 2024, considerando indicativos da inflação e do PIB (Produto Interno Bruto). 

A MP foi aprovada na por 439 votos a favor e 1 contra, do deputado Luiz Lima (PL-RJ). Ele afirmou que votou contra por engano. A matéria agora segue para apreciação no Senado Federal.