O Governo do Estado assinou contrato de concessão de três rodovias estaduais que passam a ser responsabilidade do Consórcio Way Brasil. A solenidade aconteceu na tarde desta quinta-feira (23), na governadoria.

Conforme apresentado pela empresa, são 412 km de rodovias, que contaram com 6 bases operacionais, além de 6 praças de pedágio. Ao todo serão R$ 3,5 bilhões em investimentos em infraestrutura, ao longo de 30 anos de contrato.

Três rodovias fazem parte da concessão dos serviços:

  • MS-112, que liga Três Lagoas à Cassilândia;
  • Trecho da BR-158, entre o entroncamento da MS-306 (Cassilândia) até a MS-444 (Selvíria);
  • BR-436, do entroncamento com a BR-158 (Aparecida do Taboado) até a divisa com São Paulo, incluindo a ponte Rodoferroviária.

Também estão nos planos a construção de uma base da Polícia Militar Rodoviária em Três Lagoas e uma nova base da Polícia Rodoviária Federal em Paranaíba.

A concessão beneficia diretamente 230 mil habitantes dos municípios abrangidos pelas rodovias (Cassilândia, Paranaíba, Aparecida do Taboado, Inocência, Selvíria e Três Lagoas), além de trabalhadores do setor de transportes e turistas, reduzindo o tempo gasto nos deslocamentos e no custo do escoamento da produção agrícola e industrial da região Leste de Mato Grosso do Sul.

concessão riedel
Ao centro, governador Eduardo Riedel e diretor presidente do Grupo Way, Paulo Nunes (Foto: Gabriel Neves/Jornal Midiamax)

Obras nos primeiros anos

As informações foram repassadas pelo diretor-presidente do Grupo Way, Paulo Nunes Lopes. A previsão é que as obras sejam finalizadas em até 5 anos. No 1º ano, a empresa vai realizar obras de tapa-buracos, limpeza das rodovias, implantação dos atendimentos e bases operacionais e das praças de pedágio.

Entre o 2º e 5º ano serão implantados os painéis de informações, radares e sensores, câmeras de monitoramento e sinalização, além de recuperação total das vias.

Com a melhoria do sistema rodoviário da MS-112 e trechos das BR-158 e BR-436, as principais atividades econômicas da região ganharão mais impulso:

  • Agropecuária e indústria de celulose (Três Lagoas);
  • Agropecuária (Selvíria, Inocência, Aparecida do Taboado e Paranaíba);
  • Silvicultura (Selvíria e Cassilândia);
  • Indústrias frigoríficas (Cassilândia);
  • Indústrias de açúcar (Aparecida do Taboado).

As praças de pedágio serão nas cidades de Paranaíba, Aparecida do Taboado, Três Lagoas (na ponte da divisa com São Paulo), Inocência e Cassilândia. Os pedágios devem faturar R$ 180 milhões por ano.

Segundo o governador Eduardo Riedel (PSDB), ainda não há valores para os pedágios pois o cálculo é feito a partir de cada 100 km. “Depende do local [da construção das praças]”, explicou.

As obras devem abrir 2 mil vagas de empregos e mais 300 oportunidades de contrações permanentes, para os 30 anos de concessão.