Mesclando os universos semelhantes aos filmes Gigantes de Aço e Velozes e Furiosos, estudantes de escolas públicas e privadas de se reúnem em para a fase regional da Olimpíada Brasileira de Robótica, nesta sexta-feira (25).

Alunos de 17 cidades estão no Ginásio Moreninho, na UFMS ( Federal de Mato Grosso do Sul), colocando seus robôs e à prova. Segundo a organização, são cerca de 100 equipes de estudantes do Ensino Médio.

Participando pela primeira vez da OBR, Lucas Medeiros, do campus de Campo Grande do IFMS (Instituto Federal de MS), montou o seu robô e o viu arrasar na pista. “Foi eu e um amigo que montou a parte física e outros dois fizeram toda a programação. A gente foi bem até, só teve acho que duas falhas”, conta ao Jornal Midiamax.

robos
Lucas está competindo pela primeira vez (Nathalia Alcântara, Jornal Midiamax)

Assim como em Gigantes de Aço, os alunos montam e programam os robôs, mas no ringue mesmo, o que vale é o espírito do Toretto, personagem de Vin Diesel em Velozes e Furiosos. Os robôs montados em sua maioria com peças de Lego precisam completar um circuito com diversos desafios, como rampas, curvas e ou até pegar uma bolinha.

Lucas é treinado pela professora Magna Napoleão, que está com 28 alunos distribuídos em sete equipes do IFMS da Capital inscritas na OBR “Na pandemia a gente parou. Daí teve online algumas etapas, a gente não participou. Daí faz um ano que a gente voltou e conseguimos inscrever sete equipes. Então a gente está muito feliz só por participar. Só que agora, por enquanto, a gente está em primeiro e segundo lugar já”, comemora.

robos
Robôs precisam completar o trajeto (Nathalia Alcântara, Jornal Midiamax)

Mobilização

Nesta etapa prática da OBR participam equipes de estudantes e professores dos municípios de Água Clara, Amambai, Aparecida do Taboado, , Bonito, Campo Grande, Chapadão do Sul, Corumbá, Coxim, Dourados, Japorã, Jardim, Maracaju, Naviraí, Ponta Porã, e Três Lagoas.

Da Escola Sesc de Aparecida do Taboado, Aluísio Dias está com três equipes e oito alunos no total. “Nesse torneio aqui, não tem um projeto igual os outros. Esse aqui é a construção do robozinho, fazer a programação, que é a parte de engenharia dos meninos. A construção e a programação. E colocar na arena”, explica o treinador à reportagem.

robos
OBR acontece na UFMS (Nathalia Alcântara, Jornal Midiamax)

A etapa regional conta com a colaboração do projeto de extensão Nerds da Fronteira, que visa criar oportunidades para a descoberta de talentos nas áreas das ciências exatas, engenharia e computação.

O representante estadual da OBR e professor da Faculdade de Computação, Amaury Antônio de Castro Júnior reforça que a presença da Olimpíada na UFMS apresenta a Universidade como possibilidade de trajetória educacional para os alunos da educação básica. “Tais ações, além de criarem oportunidades diversificadas de aprendizagem, também atraem futuros estudantes para o ensino superior e, em especial, para a UFMS”, diz.

robos
Trajeto tem vários obstáculos (Nathalia Alcântara, Jornal Midiamax)

De aluno para treinador

Do campus de Aquidauana do IFMS, o ex-aluno João Pedro Tavares não teve muitas oportunidades de competir enquanto estava na graduação, mas agora tem a chance como treinador das equipes.

“Eu entrei na robótica lá na minha cidade em 2019 e infelizmente não competi por causa da pandemia. Vim competir ano passado, mas esse ano não poderia competir, então eu vim como treinador”, conta ao Jornal Midiamax.

O campus trabalha com robótica desde 2016 e neste ano conta com 15 alunos divididos em seis equipes. “Ano passado nós competimos, infelizmente com a equipe reduzida e agora a gente está vindo com seis equipes para tentar o pódio, tentar se classificar e não só buscar vitória”, diz João Pedro.

robos
Robôs são construídos por alunos (Nathalia Alcântara, Jornal Midiamax)

Olimpíada Brasileira de Robótica

Criada em 2007, a OBR é o maior evento de robótica da América Latina e tem como objetivo estimular os estudantes da educação básica às carreiras científico-tecnológicas, além de classificar equipes para a RoboCup, maior competição de robótica do mundo.

A Olimpíada é dividida em duas modalidades: prática e teórica. A primeira acontece por meio de competições regionais que classificam as equipes para a etapa nacional, já a teórica é realizada nas escolas.

Na modalidade prática, robôs autônomos, desenvolvidos pelas equipes de estudantes, devem realizar uma operação de resgate sem qualquer interferência humana em um terreno com obstáculos. O robô deve ser ágil para superar os campos irregulares, desviar de escombros e subir montanhas para conseguir salvar as vítimas de um desastre.

robos
Robôs são feitos com peças Lego (Nathalia Alcântara, Jornal Midiamax)

A competição possui três níveis: o nível 0, para estudantes do 1º ao 3º ano do ensino fundamental; nível 1, para estudantes do 1º ao 8º ano do ensino fundamental e o nível 2, para estudantes do 8º ao 9º ano do ensino fundamental e todos os anos do ensino médio ou técnico. Os alunos competem com tutoria de professores ou cientistas.

Confira a programação deste sábado (26):

  • 8h – Apresentação das equipes do nível 0
  • 9h – Segunda rodada (nível 1)
  • 10h – Segunda rodada (nível 2)
  • 13h30 – Final (nível 1)
  • 15h – Final (nível 2)
  • 17h30 – Premiação e encerramento