Boletim InfoGripe, da Friocruz, traz dados que apontam um sinal de crescimento de SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) na tendência de longo prazo em Mato Grosso do Sul. O levantamento foi divulgado nesta segunda-feira (27).

Além de MS, os estados do Amazonas, Amapá, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins apresentam a mesma tendência.

Além disso, na Bahia, no Ceará, no Pará, no Paraná, no Rio de Janeiro, no Rio Grande do Sul e em São Paulo, os dados laboratoriais sugerem que o aumento na população adulta ou idosa é decorrente do Sars-CoV-2 (Covid-19), com casos eventuais de influenza A e B.

Até o momento, no Amapá, no Distrito Federal, no Espírito Santo, em Minas Gerais, em Santa Catarina e em Sergipe, o indício de crescimento está concentrado fundamentalmente nas crianças e adolescentes.

Já no Maranhão, Mato Grosso, Rondônia, e Tocantins, o crescimento ainda é compatível com oscilação em período de baixa atividade.

Entre as capitais, 17 apresentam sinal de crescimento de SRAG no Semana Epidemiológica (SE) 11:

  • Aracaju (SE)
  • Belém (PA)
  • Belo Horizonte (MG)
  • Campo Grande
  • Cuiabá (MT)
  • Curitiba (PR)
  • Florianópolis (SC)
  • Fortaleza (CE)
  • Goiânia (GO)
  • Macapá (AP)
  • Palmas (TO)
  • Porto Alegre (RS)
  • Rio de Janeiro (RJ)
  • São Luís (MA)
  • São Paulo (SP)
  • Teresina (PI)
  • Vitória (ES)

Cenários de atenção

Coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes destaca que os país vive dois cenários diferentes, que precisam de “bastante atenção”. Um deles é a volta da Covid-19, que vem gerando um aumento de internações e atingindo um número maior de estados, e o outro é referente a casos de SRAG em crianças e adolescentes.

“Em fevereiro, verificamos um aumento muito expressivo de internações por SRAG, semana após semana nessas faixas etárias. No mês de março, em alguns estados, há uma estabilização ou já um início do processo de queda nos adolescentes. No entanto, nas crianças pequenas voltou a aumentar. Estava começando a estabilizar e voltou a crescer principalmente nos estados da metade Sul do país”, alertou o pesquisador, enfatizando a importância da vacinação nesses públicos.

Referente à Semana Epidemiológica (SE) 11 (período de 5 a 11 de março), a análise tem como base os dados inseridos no Sistema de Informação da Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe) até o dia 13 de março.

Covid-19

Em nível nacional, nas quatro últimas semanas epidemiológicas, a prevalência entre os casos positivos foi de 3% para influenza A; 3,3% para influenza B; 32,1% para Vírus Sincicial Respiratório (VSR); e 48,6% para Sars-CoV-2 (Covid-19). Entre os óbitos, a presença destes mesmos vírus entre os positivos foi de 4,8% para influenza A; 2,2% para influenza B; 4,8% para VSR; e 83,3% para Sars-CoV-2 (Covid -19).

No Amapá, Ceará, Pará, Rio de Janeiro e São Paulo, há sinal de crescimento de SRAG em todas as faixas etárias. Na Bahia, Paraná e Rio Grande do Sul, verifica-se o início de aumento na população acima de 60 anos, além de manutenção do aumento de casos em crianças pequenas.

No Amazonas, foi registrado crescimento associado ao Sars-CoV-2 (Covid-19), além de aumento simultâneo de influenza A, embora em menor intensidade.

“No Amapá, Distrito Federal, Espírito Santo, Minas Gerais, Santa Catarina e Sergipe, até o momento, o crescimento está concentrado fundamentalmente nas crianças e adolescentes. Em Minas Gerias, embora apresente interrupção no sinal de crescimento nesse grupo etário, há manutenção de patamar elevado de novos casos semanais”, ressalta o pesquisador.

Crianças e adolescentes

Gomes destaca ainda que o aumento de SRAG em crianças, observado em estados de todas as regiões do país desde fevereiro, ainda não possui associação clara com algum vírus respiratório específico. O pesquisador acrescenta que na Bahia, em Minas Gerais, no Paraná, em Santa Catarina e, em menor escala, em São Paulo, observa-se aumento nos casos positivos para rinovírus em crianças até 11 anos, sugerindo possível relação. Além disso, ele informa que, em março, é possível observar o aumento de casos associados ao VSR em crianças pequenas.

“O VSR é sempre uma preocupação importante para crianças pequenas, pela grande volume de internações que ele causa. Porém, na população acima de 65 anos, também é um vírus que merece atenção tanto pelo risco de internação quanto para óbito. Por isso, é fundamental que esse público também seja testado para esse vírus quando há internação por problema respiratório, para evitar subnotificação”, explica Gomes.

Segundo a análise, além da presença de rinovírus em crianças e adolescentes observada na Bahia, no Paraná e em Minas Gerais, as últimas semanas têm apresentado aumento do VSR em crianças pequenas na maioria dos estados que apontam crescimento de SRAG nessa faixa etária.

“O de aumento recente de casos de SRAG associados à Covid-19, que vem avançando no território nacional, reforça a importância de adesão à campanha de vacinação iniciada no dia 27 de fevereiro, para que o cenário atual não gere impacto significativo em termos de casos graves”, reforça o pesquisador.

Saiba Mais