Após inspeção conduzida nas instalações do da Seara, na zona rural de , a Divisão de Perícias do (Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul) apontou que o vazamento de amônia teve origem em falhas identificadas no sistema de refrigeração.

Muitos trabalhadores que estavam nas áreas interna e externa da indústria foram atingidos pelo gás, sendo que 33 deles necessitaram de atendimento hospitalar, no último dia 28 de fevereiro. A unidade é voltada para o abate de suínos e industrializados.

Segundo informações prestadas à perícia por funcionários do frigorífico, o incidente foi provocado por uma oscilação de tensão na rede pública de elétrica. Essa instabilidade, a princípio, ocasionou falhas no painel de comando localizado na casa de máquinas e a abertura da válvula de segurança de um dos compressores que integram o sistema de refrigeração por amônia.

Com isso, o gás proveniente da válvula foi encaminhado pelo suporte de coleta até o tanque de água situado na parte superior da casa de máquinas, possibilitando seu espalhamento na atmosfera e em diversos ambientes de trabalho e áreas externas da indústria, sem o devido tratamento.

vazamento
Prédio da Seara em Dourados (Foto: Divulgação/MPT)

Vazamento

A amônia que vazou no frigorífico é um produto químico perigoso, corrosivo para a pele, olhos, vias aéreas superiores e pulmões. “Para que não haja o risco de intoxicação dos trabalhadores, deve-se providenciar uma tubulação específica de coleta e descarga do fluido para a atmosfera, tanque de água ou outros sistemas de tratamento”, orientou o perito em Engenharia de Segurança do Trabalho, Luiz Carlos Alves da Luz, responsável pela inspeção.

Ao listar os principais fatores que cooperaram para a ocorrência do acidente de trabalho, o perito sublinhou que o tanque de água onde aconteceu a descarga de amônia também apresenta irregularidades.

“O lançamento do gás ocorreu em local impróprio, enclausurado por paredes e outras estruturas da indústria, e situado em cota bastante inferior aos pontos mais altos das coberturas das edificações próximas (cerca de 10 a 15 metros abaixo)”, acrescentou Luiz Carlos Luz.

Funcionários foram levados para um hospital da cidade (Foto: Fala Povo/Jornal Midiamax)

Relatório final

Essas conclusões fazem parte de um relatório finalizado pela perícia, que ainda apontou a existência de diversas obras de ampliação na indústria com saídas de emergência provisórias sem sinalização de rota de fuga e Plano de Resposta a Emergências elaborado pela Seara sem previsão de todos os possíveis cenários, com base em análise de riscos e descrição de medidas de segurança ou controle para resposta a cada evento.

Por fim, o perito Luiz Carlos Luz finalizou o relatório indicando a ausência de controle remoto dos equipamentos mecânicos da casa de máquinas, situado no lado de fora e junto à porta de saída do setor, capaz de desligar todos os equipamentos de uma só vez, em caso de emergência; falta de dispositivo de parada de emergência, automático e/ou manual, que possa desligar todo o sistema de compressores de amônia, simultaneamente, assim como inexistência de sistema de segurança ou dispositivo que impeça que os compressores permaneçam continuamente ligados quando os condensadores estiverem desligados.

O documento traz, ainda, uma série de recomendações direcionadas à correção das irregularidades constatadas na inspeção, de modo a evitar que outros acidentes semelhantes aconteçam ou sejam agravados pela insuficiência de medidas de segurança.

O Ministério Público do Trabalho concedeu prazo de 30 dias para que a empresa promova as adequações necessárias, a contar do dia 15 de março, quando houve a entrega do relatório técnico.