A aproximação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) acelera a ansiedade de alguns alunos que irão concorrer a uma boa pontuação. Apesar disso, o professor Edilson Soares sugere equilíbrio e revisão em todos os conteúdos de biologia, que interliga um assunto ao outro.

Esta é a 12ª reportagem da série GABARITEI: Edição Enem 2023, que trouxe desde 5 de outubro dicas para um melhor rendimento dos candidatos na reta final para o exame, aplicado a partir de 5 de novembro em todo o país.

Edilson Soares leciona há mais de 30 anos, em cursinhos pré-vestibular, a disciplina Ciências da Natureza e suas Tecnologias, que envolvem a biologia. Atualmente, ele atua no Colégio Refferencial e IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul).

Ele explica que são, em média, de 17 a 19 questões do Enem que envolvem a biologia. Edilson relembra os candidatos que a disciplina possui várias vertentes e pode interligar vastos assuntos, até mesmo em geografia, química e física.

“A ecologia sempre caiu no Enem, então vale uma revisão em estudo nas cadeias ecológicas, nas relações, pirâmides. Por exemplo, na poluição da água e do ar”, exemplifica.

Com essa dica, o professor orienta a atenção em algumas questões do cotidiano, por exemplo, durante a pandemia da covid-19, quando a humanidade aguardava o imunizante. Entretanto, alguns alunos confundiam a função da vacina com o soro.

“Duas coisas diferentes, vacina é diferente de soro. Vacina é uma imunização ativa, permanente. O soro é uma imunização passiva, ou seja, temporária. Vacina é preventiva e soro é curativo”.

Vacina – Existem várias vacinas, uma das mais conhecidas é contra a poliomelite, a paralisia infantil. “Quando vamos ao posto de saúde, esta vacina tem o vírus atenuado causador da poliomielite, sendo assim, o mesmo não se reproduz, atuando como antígeno. O antígeno é uma proteína que vai estimular nosso corpo a produzir anticorpos contra este vírus. Desta forma, caso este vírus esteja ativo e entre na nossa circulação sanguínea, nosso corpo, agora com memória imunológica, vai produzir anticorpos para destruir o vírus”.

Soro – Não é ativo, é passivo, pois já há anticorpos prontos. Por exemplo, se foi picado por um escorpião ou por cobra peçonhenta, nosso corpo não tem tempo para produzir os anticorpos. A resposta de imunização precisa ser rápida para neutralizar o veneno.

Outro erro básico que interliga esse assunto, na visão do professor, é a confusão sobre o que é um anticorpo. “O Enem já cobrou várias vezes e, com perguntas assim, tem que prestar bastante cuidado. Tem aluno que me diz: professor, anticorpo é uma célula. Não, o anticorpo é uma proteína”.

Assuntos recorrentes no Enem

  • Síntese de bactéria – Organismos unicelulares que não possuem núcleo definido e nem organelas membranosas.
  • Doenças – Professor aconselha revisão em principais doenças, além de influência das verminoses, protozoários e viroses.
  • Citologia – Estudo da estrutura das células.
  • Botânica – Edilson sugere aos alunos revisão em conteúdos sobre a biologia vegetal dedicada aos grupos vegetais.
  • Biotecnologia – Ramo com maior novidade e também envolve outras ciências. A matéria estuda organismos modificados, clonagem, terapia genética.
  • Zoologia – estudo sobre os grupos de animais.

“Enfim, Pincelar tudo”

Especializado em todas as áreas da biologia, Edilson Soares também orienta os alunos a revisarem e fazerem o máximo de questões da disciplina. “Revise materiais antigos, pesquise assuntos pertinentes”, finaliza.

GABARITEI: EDIÇÃO ENEM 2023

O Jornal Midiamax traz, na contagem regressiva para o Enem 2023, um guia de sobrevivência para que candidatos ao principal vestibular do país se deem bem nas matérias e temas mais prováveis de cair na prova.

São 13 produções, assinadas pelos núcleos de Jornalismo do Cotidiano e de Jornalismo Multimídia da Central de Jornalismo do Midiamax, que vão orientar candidatos a terem o melhor rendimento nesta reta final.

Confira toda a série clicando AQUI.