Cerca de 100 profissionais da enfermagem da Santa Casa foram esquecidos no pagamento do piso da enfermagem realizado nesta semana e agora cobram respostas e prazos. O repasse a 1.623 profissionais do hospital aconteceu após ajuda do , que enviou R$ 8,5 milhões ao Mato Grosso do Sul.

O recurso enviado pelo Ministério da Saúde foi destinado a instituições que atendam 60% dos pacientes pelo SUS. Os profissionais da foram listados por CPF pare receber o complemento ao piso salarial referente aos meses de maio a agosto.

Praticamente metade do montante do Ministério para o Estado foi para a , sendo o total de R$ 4,812 milhões, com aporte mensal de R$ 1,203 milhão. O problema é que cerca de 100 funcionários ficaram de fora da lista.

A princípio a Santa Casa informou que o grupo esquecido é formado por 96 técnicos e 2 enfermeiros, que ficaram de fora por terem sido admitidos depois de maio deste ano. Porém, os profissionais contestam essa informação.

Profissionais antigos entre os esquecidos

Diversos profissionais da enfermagem que não receberam o repasse referente ao piso salarial entraram em contato com o Jornal Midiamax, para contestar a informação da Santa Casa. Eles afirmam que há profissionais com muitos anos de casa entre os esquecidos.

“Tenho mais de quatro anos de casa e meu nome nem está na lista. Eles também não dão uma posição pra gente”, diz um dos profissionais. Outro confirma ter mais de três anos e também não ter recebido o piso.

Em nova nota enviada ao Jornal Midiamax, a Santa Casa afirma que aguarda resposta do Ministério da Saúde sobre o motivo desses colaboradores não terem sido levados em conta na hora de receber o piso. Alegam ainda que o Departamento Pessoal da Santa Casa enviou, dentro do prazo estabelecido, a lista com os nomes e os salários de todos os colaboradores da enfermagem ao Ministério, e foi o próprio órgão que realizou toda a análise e cálculo do repasse.

Infelizmente, ainda não recebemos o retorno dessa análise para investigar o que pode ter acontecido. Conforme comunicado anteriormente aos funcionários, as divergências salariais informadas pelo Ministério da Saúde serão tratadas posteriormente, afim de que todos recebam os valores corrigidos”, diz a nota.